quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Falta um PUB em Vitória


Muitas pessoas me disseram "falta um pub aqui em Vitória"!!!!
Pois é... atualmente existe o Teacher's Pub (na Praia do Canto), mas é pequeno... e já faz algum tempo  que o estabelecimento está voltado para o estilo hard core (rock), isso fez com que seu público fosse limitado  às pessoas que curtem esse tipo de música. 
Sortudos os que curtem esse estilo hard core, pois para eles existe um PUB aqui em Vix rs.





Encontrei um site de um PUB chamado "Porto Night" localizado em Florianópolis Santa Catarina, parece ser bem legal: http://www.portonightfloripa.com/





Fonte da imagem: http://www.aondeandei.com.br/2009/02/18/the-basement-pub-sabado-rock-nacional-e-promocao/

Os capixabas querem um barzinho bacana com música agradável, um ambiente legal para comer, dançar e conversar com os amigos. Então atenção empreendedores do Estado!!!!!! Esse seria um bom negócio, mas é bom lembrar que nós queremos um ambiente espaçoso, uma música que permita a conversa (sem precisar de gritar) rs, queremos bom atendimento e espaço para dançar! 

Não é mesmo galera? O que vocês acham? Vocês já foram em bons PUBS?

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

São Mateus

Começando a semana com a cidade de São Mateus, localizada no Norte do Estado, a cidade é muito conhecida pelo balneário de Guriri. Mas falarei de Guriri exclusivamente outro dia, em homenagem a minha amiga Michele.

Os destaques para a cidade de São Mateus são esses:

 

 

Os Primeiros Colonizadores

                                                                Igreja Velha
 
Os primeiros colonizadores portugueses chegaram a São Mateus por volta de 1544. A partir daí a cidade começou seu desenvolvimento e não parou mais. A característica principal da economia de São Mateus é a diversificação das atividades aqui praticadas. Agricultura, pecuária, são fortíssimas e merece destaque especial o comércio que é referência no norte do estado e extremo sul da Bahia.

Há poucos registros sobre a povoação de São Mateus, a vila de São Mateus passou a dar obediência ao governo da Bahia, e , a partir desse momento, houve grande crescimento das atividades comerciais, pois muitas famílias iimportantes daquele Estado passaram a se mudar para São Mateus. 

A Criação do Município de São Mateus

                                                        Cidade de São Mateus
 
A Vila de São Mateus passou a ser Município por Ato Provincial de 03 de abril de 1848. No entanto, não existe nenhuma comemoração nessa data, pois a celebração mais importante do Município acontece no dia 21 de setembro, quando se festeja também o início da colonização européia iniciada em 1544. A cidade recebeu o nome de São Mateus pelo fato de ter sido em um dia 21 de setembro (dia do evangelhista Mateus) que o padre José de Anchieta visitou a cidade.

Até o final da década de 1930, os meios de transporte de passageiros e mercadorias para toda a região norte do Espírito Santo eram os animais (cavalos e tropas de muares), os pequenos navios que aportavam em São Mateus e o trem de ferro.

O Porto de São Mateus

                                                             Sítio Histório Porto
 
O movimento no Porto de São Mateus era intenso, com os trapiches cheios de mercadorias para exportação. Os armazéns vendiam mercadorias aos moradores locais e aos da Vila do Interior como Barra de São Francisco, Nova Venécia, Boa Esperança, Jaguaré e outras, todas ainda pertencentes ao território de São Mateus. Por causa da pouca profundidade e largura do rio, em alguns lugares, os navios só podiam entrar ou sair de 15 em 15 dias, nas luas cheias e novas, quando as marés são mais altas.

Eu já fui:
Conheci as ruínas da Igreja Velha e fui também ao Sítio Histórico, os dois lugares rendem lindas fotos. Não conheci a vida noturna da cidade!

Quem conhece melhor a cidade tem dicas do que fazer lá?


Acesso:
  • Distância: 220km da capital Vitória
  • Limites ao Norte: Conceição da Barra, Boa Esperança e Pinheiros.
  • Limites ao Sul: Linhares, Jaguaré, Vila Valério e São Gabriel da Palha.
  • Limites ao Leste: Oceano Atlântico.
  • Limites ao Oeste: Boa Esperança e Nova Venécia.
Fonte: http://www.saomateus.es.gov.br/site/historia-sao-mateus.php



quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Carta aos leitores




Gente.... estou muito feliz com o sucesso do blog!!!

Dia 05 de janeiro de 2011 o blog completará dois meses e nesse curto período fiz muitas novas amizades... E atualmente estou em negociação com o site Rota Capixaba. E devo isso à vocês... que acessaram, divulgaram, comentaram, elogiaram, criticaram, enfim....

Muitos internautas já passaram por aqui, foram  aproximadamente 3.000 acessos, um grande número proveniente de outros países (EUA, Cingapura, Alemanha, Espanha, Argentina, Filipinas, Irã, Portugal, Romênia, Eslovênia, Filipinas...). Tenho um público fiel na Croácia, que acessa diariamente o blog, eu adoraria saber quem são essas pessoas, fico curiosa, serão capixabas que estão longe? Sugiro que vocês se apresentem.. É Natal gente... vamos entrar no clima... digam um "oi" nos comentários, fiquem à vontade, esse espaço é para vocês!

Para 2011 tenho em mente vários lugares que quero conferir pessoalmente e narrar aqui, podem esperar... pois boas surpresas virão. Claro que aos poucos... né galera!! Pois conhecer esses lugares envolve tempo e dinheiro rs!!!!  Quem quiser deixar sugestões pode comentar que eu leio e respondo aqui mesmo!

O post de hoje é para desejar Feliz Natal à todos vocês e um 2011 cheio de realizações!
Compartilho esse vídeo da História do Natal Digital; para quem ainda não viu vale à pena assistir, um show de criatividade!!!!!

http://www.youtube.com/watch?v=tgtnNc1Zplc

Retorno com as atualizações no dia 27/12!
A paz de Deus esteja com todos vocês, muita paz, saúde e amor em nossos corações!!!!
Saudações bloguísticas!

Érika Mezabarba






quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Galeria Homero Massena




Inaugurada em 31 de março de 1977, a Galeria Homero Massena é um dos primeiros espaços no Espírito Santo especialmente criado com a finalidade de abrigar exposições de Artes Visuais. Surge numa época de desenvolvimento e modernização de Vitória, quando também ocorrem mudanças no pensamento e fazer artístico de alguns jovens que não aceitam mais os valores estéticos defendidos na Escola de Belas Artes. Quebrando a hegemonia da arte acadêmica na Capital, esses jovens invertem a diretriz do pensamento artístico e voltam suas investigações e reflexões para os postulados da arte contemporânea.

A Galeria Homero Massena constitui-se então como um espaço que expõe a produção de artistas já reconhecidos e também dos que iniciam suas carreiras, validando e dando visibilidade ao seu trabalho. Durante seus 31 anos de existência, tem atuado como agente de difusão cultural, construindo um importante painel das Artes Visuais no Estado.

Acesso:
A Galeria Homero Massena está localizada na rua Pedro Palácios, 99, no bairro Cidade Alta, no Centro de Vitória.
Visitação: segunda a sexta-feira, entre 10 e 18 horas

Contato:Visitas guiadas: 3132 8395

Fonte: http://www.secult.es.gov.br/?id=/espacos_culturais/galeria_homero_massena

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Bar e Restaurante Águia Marcante



Fonte da imagem: www.aguiamarcante.com.br

Depois que a postagem do Saloon Country fez tanto sucesso, decidi postar outra sobre forró:
O Bar e Restaurante Águia Marcante é localizado em Vila Velha, na beira-mar e é o point da galera nas quarta-feiras. Lá se apresentam diversas bandas de forró universitário, o público é jovem e dá bastante gente!


Eu já fui:
Fui lá para fazer uma matéria, na época trabalhava no Progarama "Gente na TV". Claro que não fui para me divertir já que estava à trabalho, mas deu para analisar o local:
Bom.. o bar e restaurante Águia Marcante não possui muita infra-estrutura, é um estabelecimento bem simples, mas os frequentadores vão atraídos pelo ritmo gostoso do forró... o clima fresquinho por ser localizado de frente para o mar...
O diferencial é que essa badalação acontece nas quartas-feiras, dia da semana que não se encontra muitas opções noturnas!!!

Não deixem de conferir a reportagem que fiz, está disponível no youtube:




Quem já conhece o local pode opinar, e você que não conhece... deu vontade de ir lá dançar um forrozinho manhã? rs



Acesso:
Av Antônio Gil Veloso, 2948,
Praia da Costa
Terça-feira a domingo, de 11h às 0h
Contato:
(27) 3391-6941
www.aguiamarcante.com.br


segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

FAFI

Fafi funciona em prédio histórico inaugurado em 1926

Vitor Nogueira
Prédio da Fafi
Samira Gasparini
escada com corrimão antigo e com projeção da luz do sol na parede
No coração da Ilha de Vitória, a Escola de Teatro, Dança e Música Fafi contribui no processo de revitalização do Centro. Funciona num edifício projetado pelo arquiteto tcheco-eslovaco Josef Pitlik em estilo eclético, construído no governo de Florentino Avidos (1924-1928) e inaugurado em 1926, durante o Oitavo Congresso Brasileiro de Geografia.
No decorrer dos anos, o prédio foi cenário de diversas atividades. Após a inauguração, tornou-se ambiente do Grupo Escolar Gomes Cardim. Em 1948, com a anexação do grupo escolar à escola Normal Pedro II, passou a abrigar o Colégio Estadual, que ali permaneceu até 1958, quando a escola foi transferida para o Morro do Forte São João.
Pouco tempo depois, surgia no imóvel a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, origem da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). Devido à importância sociocultural da faculdade, o prédio, antes conhecido por Gomes Cardim, passou a ser chamado Fafi, a sigla da instituição. A criação da Ufes em 1954 e sua federalização em 1961 tornaram o edifício patrimônio do Governo Federal.
Veio o Regime Militar. Uma das salas foi transformada em depósito de livros considerados subversivos apreendidos no diretório Acadêmico do Centro Biomédico da Ufes. Em 1971, a parte da Universidade que funcionava na Fafi foi transferida para o campus de Goiabeiras. A edificação foi também sede do Serviço de Identificação da Secretaria de Segurança Pública do Espirito Santo até 1976, quando é totalmente fechada.
O prédio teve seu tombamento determinado em 1982, e, cinco anos mais tarde, a Prefeitura de Vitória o adquiriu. Em 25 de janeiro de 1992, na administração de Vitor Buaiz, as portas foram reabertas, e foram iniciadas no local as atividades da Escola de Artes Fafi, sendo oferecidas oficinas de curta duração em diversas áreas artísticas, como teatro, fotografia, dança e cinema.
Em março de 1998, no governo de Luiz Paulo Vellozo Lucas, a Fafi se transformou em uma escola de qualificação profissional em teatro e dança, formando, em dezembro de 1999, suas duas primeiras turmas nessas áreas.



Cursos profissionalizantes de dança e teatro oferecidos na Fafi

Fernanda Neves Gomes
Alunos de dança em pé e braços arqueados; à frente, três alunas com braços estendidos em diagonal

Curso de Qualificação Profissional em Teatro

O Curso de Qualificação Profissional em Teatro tem duração de três anos com aulas à noite, de segunda a sexta. Para se matricular, o aluno deve ter idade mínima de 16 anos, precisa estar cursando ou ter concluído o ensino médio e deve ter concluído uma carga horária de 60 horas de iniciação teatral. Ao final do curso, é expedido certificado de Qualificação Profissional em Teatro.

Curso Básico em Dança

Destinado aos alunos a partir de nove anos de idade. O Curso Básico em Dança dura cinco anos e conta com duas opções de horário: matutino e vespertino. As aulas ocorrem de segunda a sexta. Ao final, os estudantes participam de um novo processo seletivo para admissão no curso de Qualificação Profissional em Dança.

Curso de Qualificação Profissional em Dança

O aluno frequenta, por três anos, o curso, que é realizado de segunda a sexta, no período noturno. Ele precisa estar cursando ou ter concluído o ensino médio e recebe certificado de Qualificação Profissional em Dança.




Formação gratuita de atores e bailarinos na Escola Fafi

Kadidja Fernandes
Menina vestida com roupa de balé, sentada, fazendo alongamento frontal
A Escola de Teatro, Dança e Música Fafi é um cenário dedicado à promoção e à difusão cultural. Criada em 1992, oferece, gratuitamente, oficinas livres a crianças, adolescentes e adultos provenientes de qualquer cidade do Estado ou do país. Também possui cursos gratuitos de qualificação profissional em teatro e em dança abertos à população.
Sua estrutura física é composta por cinco salas de aulas, um centro de documentação (com acervo nas áreas de arte, cultura, teatro e dança), um laboratório de artes cênicas, uma sala para serviços administrativos e uma secretaria escolar. Está instalada em prédio histórico, que  também abriga a Biblioteca Pública Municipal Adelpho Poli Monjardim.
Além das oficinas e cursos, a Escola mantém, todos os anos, uma programação cultural voltada a alunos, artistas, técnicos e ao público em geral.

Inscrições

Para se inscrever nas oficinas ou nos cursos de qualificação profissional, o candidato deve apresentar uma foto 3X4, a cópia da Certidão de Nascimento (para crianças) ou da Carteira de Identidade (para jovens e adultos) e ainda o comprovante de escolaridade.
Além disso, à época, deverão ser atendidos os pré-requisitos divulgados para acesso às inscrições.

Cursos

Oferecidos de segunda a sexta, os cursos de qualificação profissional em teatro e em dança são oportunidades para aqueles que desejam se tornar ator ou bailarino. O mês de janeiro é dedicado às inscrições e ao processo seletivo realizado pela escola.

Oficinas livres

As oficinas permitem a aproximação dos participantes com o universo cultural e artístico e são momentos de estímulo à criatividade. São ofertadas semestralmente, e as inscrições são abertas duas vezes por ano, seguindo os semestres letivos.
A maioria acontece aos sábados. A oferta varia conforme o semestre, sendo estas algumas opções de oficinas: o ator e a máscara, máscara para atores, crítica teatral, figurino, cenografia, produção, direção, maquiagem, consciência do movimento para terceira idade, dança contemporânea, balé, dança de salão, jogos dramáticos, iniciação teatral, preparatório para qualificação teatral, técnica circense, teatro para terceira idade, teatro brasileiro, construção de personagens (ator e formas animadas), teatro para professores e oralidade e educação vocal para professores.
Uma parceria com o Serviço Social do Comércio (Sesc) permite ampliar a formação do artista, a formação de plateias e a oferta de oficinas ligadas à arte cênica.






Cursos na Escola Fafi: endereços e contatos para informações

Carlos Antolini
Dança na Fafi
A Escola de Teatro, Dança e Música Fafi está situada na Avenida Jerônimo Monteiro, 656, no Centro de Vitória. Abre de segunda a sexta, das 8 às 22 horas, e aos sábados, das 8 às 18 horas.
A população pode obter mais informações sobre cursos e oficinas ou esclarecer dúvidas pelos telefones (27) 3381-6921 e 3381-6922.

Corpo técnico
Gerente da Escola de Teatro, Dança e Música Fafi

Tânia Regina Alves do Carmo
Telefone: (27) 3381-6921
E-mail: tracarmo@vitoria.es.gov.br
Coordenadora de Promoção Cultural
Lilian Pereira Menenguci
Telefone: (27) 3381-6922
E-mail: lpmenenguci@vitoria.es.gov.br
Coordenador de Projetos Culturais
Roberto Barcelos Ferrante
Telefone: (27) 3381-6921
Coordenador de Teatro
Wilson Pinto Coelho
Telefone: (27) 3381-6923
Coordenadora de Dança
Renato Santos
Telefone: (27) 3381-6924
Coordenadora Pedagógica
Zila Nascimento Oliveira
Telefone: (27) 3381- 6922



Vai fazer o que nas férias? Faça um curso de teatro!

Já estão abertas as inscrições para a primeira oficina que a Fafi irá oferecer durante as férias escolares

Caroline Pontini - gazeta online


foto: Gildo Loyola
Fafi
Já estão abertas as inscrições para a primeira oficina que a Fafi irá oferecer em janeiro e fevereiro de 2011.


Se você quer aprimorar seus conhecimentos artísticos, sua expressão corporal ou até mesmo pensa em ser ator, que tal fazer teatro nas férias? Já estão abertas as inscrições para a primeira oficina que a Escola de Teatro, Dança e Música. A Fafi irá oferecer em janeiro e fevereiro de 2011. As inscrições para a oficina, a ser ministrada pelo ator e diretor Alvarito Mendes Filho, vão até o dia 6 de janeiro.

Com carga horária de 45 horas, a oficina será realizada entre os dias 10 de janeiro e 11 de fevereiro de 2011, sempre das 19h às 22h. O professor Alvarito Mendes Filho está oferecendo vagas para pessoas interessadas em aprender ou ampliar seus conhecimentos sobre a arte dramática e experimentar o fazer teatral em um curto período de tempo.


Para participar, é necessário ter idade mínima de 15 anos. Porém, podem participar alunos com menos de 15 anos que já tenham experiência na prática teatral. A inscrição é gratuita, e o melhor: não há cobrança de mensalidade.

Durante o curso, os alunos entrarão em contato com a história do teatro de diversas épocas e civilizações, como o Teatro Grego, Medieval e Elisabetano, além do Teatro Brasileiro e também a Comédia Dell'Arte. Além de aulas expositivas, também haverá leitura de textos e encenações.

Inscrições:
Oficina de teatro com Alvarito Mendes Filho
Prazo de inscrição: até 6 de janeiro
Aulas: 45 horas de aulas entre os dias 10 de janeiro e 11 de fevereiro de 2011



Eu já fui:

Em 2007 fiz o curso de iniciação teatral na Fafi, muito bom, aprendi muito, fiz novos amigos e era uma delícia estar envolvida com o mundo de imaginação do Teatro. Os professores de lá são muito bons!
Como vocês leram, a Fafi oferece diversos cursos, então aproveitem, eu recomendo!

 




Acesso:
Onde: Escola de Teatro, Dança e Música Fafi, Av. Jerônimo Monteiro, 656, Centro, Vitória.

Contato:
Informações: (27) 3381-6924


Fonte: http://www.vitoria.es.gov.br/semc.php?pagina=prediohistorico
http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2010/12/723138-vai+fazer+o+que+nas+ferias+faca+um+curso+de+teatro.html


sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Saloon Country

O SALOON nasceu em 2001, como suporte de restaurante para os grandes eventos festivos e expositivos do Centro de Eventos Floriano Varejão (Parque de Exposições de Carapina), e logo o se revelou como importante e requisitada opção para atendimento à população da Grande Vitória, especialmente para os que amam e freqüentam o mundo Country.


A qualidade do atendimento jamais se deixou vencer pela informalidade reinante que, aliada a excelência do seu atendimento, conquistou definitivamente os amantes do ambiente alegre, descontraído, romântico e dotado de uma vista noturna privilegiada. Daí para transformar as noites de quinta feira em “point” de encontro da moçada do chapéu de aba larga, foi um galope.

Embaladas pelas animadas músicas do estilo country, sempre ao vivo e alternadas por ritmos românticos, as “quintas feiras do SALOON”, desde o primeiro momento e até os dias de hoje, sempre estiveram lotadas, em decorrência da imantação exercida pela boa música, pela garantia de um ambiente que oferece segurança aos seus freqüentadores e um amplo estacionamento dentro dos muros do Parque de Exposições.
Desde a sua inauguração, mantém a tradição de nunca ter fechado suas portas, nem mesmo nos meses de janeiro, quando a rapaziada se sente atraída por outros ritmos e outras “praias”.

Em função do seu amplo pátio de estacionamento, da total segurança que oferece aos seus freqüentadores e veículos, além do espaço interno generoso que ostenta, o SALOON se revela também como excelente alternativa para festas de formatura, recepções de casamentos, comemorações e quaisquer outras recepções particulares e reservadas.


Eu já fui:
Então... ouvi muito falar desse lugar, mas eu pensava: lá deve ser que nem no Adega Sertanejo (só sertanejo... sertanejo atual). E eu gosto é do ritmo de forró e "clássicos sertanejos", tipo raíz que a letra é uma poesia... Aprendi a tocar várias no violão à pedido do meu pai, quando estou fora de casa e toco Tristeza do Jeca quase choro rs.

Pensei: não vou gostar desse lugar, amanhã só vou ter coisas ruins para postar para a galera! Mas então.. reuni as amigas e lá fomos nós!!!

FOTO: Arquivo pessoal Érika Mezabarba

Chegando lá... já notei algo muito estranho: os seguranças nos recebem felizes e sorridentes e respondem "boa noite", fiquei de caraaaaa!!!!! Gente.. na maioria dos lugares onde frequento encontro seguranças de cara feia e nada educados! Mas os do Saloon dão um show de simpatia, eles precisavam dar aulas de boa-maneiras para outros profissionais. E em homenagem á eles até tirei uma foto com um, muito simpático que até bateu foto para gente!

       FOTO: Arquivo pessoal Érika Mezabarba

Lá dentro... chegamos cedo, pois as cowgirls pagam meia até as 23h rs.
Bom... a fama desse local é que lá vai muito homem, minhas amigas e eu estávamos curiosas para conferir isso, já que seria realmente coisa muito rara!! rs. Eis a cena que presenciamos: tanta mulher que elas dançavam umas com as outras, e como a blogueira aqui "mata a cobra e mostro o pau", olha aê, tirei até foto:

   FOTO: Érika Mezabarba


Mas, mais tarde os cowbóis chegaram e equilibraram um pouco a proporção, mas não achei nada assim tão desproporcional quanto haviam me contado!

O ritmo... genteeeee dancei muitooooooooo, me acabei.... rs, o tempo lá vôou, e para minha surpresa as músicas eram mescladas entre atual (melodrama que eu não curto) mas respeito quem gosta, e clássico (que eu me amarro)!!! E no ritmo de forró "uauauauuauau adoro"... como diz minha amiga Dayane!!!!

Eu não sou uma pessoa preconceituosa, penso da seguinte maneira: "o que importa é a companhia, a gente que faz o rock " e o que tocar eu danço... vou no ritmo kkkkk E já que estava com uma galera animada, achei que só ia dar umas risadas, mas nos divertimos muiiiitoooooooooooooooo!!!

FOTO: Arquivo pessoal Érika Mezabarba

Conhecemos muita gente legal.. o público do forró é muito educado, sabem tratar as mulheres com respeito.
Abraços para os novos amigos paulistas, que como nós eram novatos lá no Saloon! Abraço especial para o cowboy:


FOTO: Arquivo pessoal Érika Mezabarba

O ambiente é todo decorado em um estilo rústico, bem bacana, me lembrou o interior, ai que saudade de casa!!!! Acho que estou sensível pela proximidade do Natal!!! rs

Quanto à temperatura de lá.....olha eu sou bem resistente ao calor, mas achei lá bem "quentinho" por não ser climatizado, mulherada..... não há franjinha que resista kkkkkk. Recomendo às mulheres que levem um acessório para prender o cabelo e nada de saltão, para aguentar dançar a noite toda!!!!!

Senti falta de mais lixeiras espalhadas pelo salão, porque chegou um momento que elas já transbordavam e a galera começou a jogar lixo no chão!!! E ainda seria melhor se o estacionamento fosse gratuito rs, o valor atual é de R$5,00. :(
Mas o bom é que o preço das bebidas são em em conta, preços justos, nada abusivo!!!


Poucas vezes me diverti tanto, quanto essa noite!!! Recomendo!!!
Todas as minhas amigas acharam o atendimento excelente!!!
Para minha surpresa e de minhas amigas o Saloon couuntry ganhará uma estrelinha do blog!!!!

To com uma música na cabeça: "voa beija-flor....." só sei esse pedaço kkkkk
Ser feliz é viver sem preconceitos!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! uauauauau

Um beijão para Dayane, Jeninha, Fuvi e Michele, até a próxima análise meninas!!!!! rsrsrsr

Quem conhece  o local e quiser opinar, só clicar logo abaixo no link "0 comentários" e comentar, pode selecionar anônimo e escrever o nome no final ou preencher com os dados da sua conta Gmail.
Comenta né gente.... rs o blog foi feito para isso para discutirmos o que é bom ou ruim, estamos chegando a 3.000 acessos em menos de 02 meses, uma média de 100 acessos diários, não quero ter a sensação de que meus leitores são fantasminhas kkkkk, têm alguém aí? rsrsrsrsrs

Bom final de semana gente!!!!
;)
bj da Érika

Acesso:
Parque de Exposições de Carapina
Rodovia do Contorno, BR 101, Km 01
Carapina
Serra-ES

Contato:
(27) 3328-2928



quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Onde comprar artesanato em Vitória?

Encontrei essa dica no site da PMV:



Artesanato na cidade: onde fazer compras?

Associação das Paneleiras de Goiabeiras
A associação conserva a tradição de mais de 400 anos da feitura das panelas de barro. No caso de grupos, deve-se agendar visita pelo telefone (27) 3327-0519.
 
Endereço: Galpão Provisório, próximo à Univix, Goiabeiras.
Telefone: (27) 3327-0519.
Horário de funcionamento: segunda a sábado, das 8 às 19 horas.

Mercado São Sebastião

O Centro de Referência do Artesanato Capixaba funciona no Mercado São Sebastião, prédio de arquitetura neocolonial construído na primeira metade do século XX. O espaço abriga exposições de artesãos, comercialização de produtos e lanchonete. Nos 14 boxes é possível comprar especiarias, condimentos, licores, alimentos artesanais e lembranças tematizadas sobre Vitória e o Espírito Santo.
Endereço: Avenida Paulino Muller, em Jucutuquara.
Horário de funcionamento: terça a sexta-feira, das 14 às 20 horas, e aos sábados, das 10 às 18 horas.

Mercado Capixaba

Projetado pelo arquiteto Joseph Pitilick e construído para substituir o antigo mercado municipal, possui formas ecléticas e neoclássicas. Tombado em nível estadual, o prédio foi inaugurado em 1926. Acessível por duas avenidas - Princesa Isabel e Jerônimo Monteiro -, oferece artesanatos em argila, palha, bambu, entre outros.
Endereço: Av. Princesa Isabel, 251, Centro.
Telefone: (27) 3322-6805.
Horário de funcionamento: segunda a sexta, das 8h30 às 19 horas. Sábado, das 8 às 16 horas.

Mercado da Vila Rubim

Inaugurado em 1969, foi reconstruído sobre uma área de 4 mil metros quadrados, após um grande incêndio em 1994. Abriga 425 lojas. Além de artesanato, quase tudo é possível encontrar lá: temperos, ervas medicinais, artigos de umbanda, pescado, aves, pequenos animais, doces, roupas, doces, entre outros produtos.
Endereço: Rua Orlando Rocha, 92, Vila Rubim.
Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 8 às 18 horas; sábado, das 8 às 14 horas.

Associação Capixaba de Artesãos (Acarte)

Endereço: Avenida Hugo Viola, 955, Loja 06 - Mata da Praia.
Telefone: (27) 3315-0174.

Feira de Artesanato da Praça do Epa em Jardim da penha

Toda sexta-feira à noite no Centro do bairro de Jardim da penha.
Horário de Funcionamento: Das 18 às 22 horas.

Feira de Artesanato da Praça dos Namorados

Endereço: Praça dos Namorados, Praia do Canto.
Horário de Funcionamento: sábados e domingos, das 18 às 22 horas.

Casa do Artesão

Endereço: Rua Henrique de Novaes, 50, Centro.

Artes do Jardim

Endereço: Shopping Norte Sul, piso térreo, Jardim Camburi.
Telefone: (27) 3328-1286.

Artesanatos Sutil

Endereço: Avenida Dante Michelini, 875, Praia de Camburi.
Telefone: (27) 3225-0626.

Associação de Ceramistas do Espírito Santo

Endereço: Rua Tito Machado, 66, Horto.
Telefone: (27) 3325-3979.
Horário de funcionamento: segunda a sexta, das 14 às 18 horas.


quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Maior palco fixo do Brasil no ES

Será inaugurado em Guriri-ES o maior palco fixo do país, confiram:

O Complexo



Show de inauguração:

Evento

Fernando & Sorocaba

Local

Arena Ao Mar - Ilha de Guriri

Data

01/01/2011

Horário

21:00hs

Valor

Área Vip: R$:80,00   /   Pista: R$:40,00

Descrição

1º, 2º e 3º Lote Esgotados

Pontos de vendas:
Ilha de Guriri: Bodegas Atobá Petiscos Lanches Gaúchão Leblon Ditos Drogaria São Domingos Posto SD Damasco Tapiocaria
São Mateus: Alforria, Grif's, Drogaria Salvador, Boroto Calçados, Valdos e Saturno Turismo (Ádrya: 3312-9430/9257-6536)
Linhares: Saturno Turismo Boroto Calçados
Vila Velha: Saturno Turismo
Governador Valadares: Boroto Calçados Cred. Saturno Turismo
Texeira de Freitas: Boroto Calçados
Colatina: Boroto Calçados Dona Linda Saturno Turismo
Nova Venécia: Sandro Dance Saturno Turismo
Ipatinga: Cred. Saturno Turismo


Fonte: http://www.aomar.com.br/

domingo, 12 de dezembro de 2010

Bar Belisco

  Fonte da imagem: http://blogalternatribos.blogspot.com/2010_05_01_archive.html

O belico bar, também é uma opção da Rua da Lama.
Famoso pelo sambinha de todo sábado que acontece de 19h ás 21h e atrai muita gente, (a esquina fica cheia) e para conseguir uma mesa não é fácil rs, tem que chegar cedo, o cover artístico custa 3.99 por pessoa.


Eu já fui:
Gosto do belisco aos sábados no horário do sambinha, que fica mais animado lá! Muito bom sambar com a galera ouvindo as músicas de Jorge Aragão ao vivo!
É comum encontrar música ao vivo no estabelecimento, como MPB!

A música ambiente de lá não curto muito não, com todo respeito, mas normalmente é um reggae que dá sono (nada contra reggae)!!!

O atendimento é bom!


Acesso:
Av. Anísio Fernandes Coelho, 1.730, Jardim da Penha
Vitória-ES

Contato:
(27) 3235-7873.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

kaffa Cafeteria



Bom, muitas pessoas que visitam meu blog, sempre comentam "você tem que postar sobre a cafeteria kaffa"... como também sou admiradora do estabelecimento e só ouço elogios, atendo aos "merecedores pedidos":

Essa postagem será "mais ousada" que as anteriores, pois entrei em contato com o dono do estabelecimento e falei da possibilidade de uma entrevista via-email, sobre a qualidade do atendimento de seu negócio , já que é muito comentado. Vagner Benezath, gentilmente me recebeu para um bate-papo e pessoalmente me  contou  mais sobre essa "jovem cafeteria", que está fazendo à cabeça dos capixabas. 

Durante a conversa, Vagner revelou que não possuía experiência em Administração, contou  da sociedade com sua mãe (Carmen Benezath) e referiu-se com muita humildade ao sucesso e a fama da cafeteria. 
Confiram:


Érika Mezabarba: Gostaria que você me apresentasse... falasse mais sobre a cafeteria. 
Vagner Benezath: Hum...a idéia de montar, de abrir um café aqui foi minha, somos eu e minha mãe (ela é nutricionista e chefe de cozinha)... A idéia começou a surgir em junho do ano passado, eu gosto muito de café, cafeteria... ambiente cafeteria. E comecei a colocar na minha cabeça que "tinha que ter uma.".. E a Rua da Lama é um ponto cheio de bares totalmente noturnos, mas a rua também tem uma vida diurna e não havia um lugar legal!
Já hoje a Lama está em crescimento, você já encontra lugares legais, que não seja “boteco copo sujo”, saindo um pouco só de cerveja!
E aí... apresentei para minha mãe a idéia, já tínhamos alguns contatos no Sindicafé, (uma amiga nossa que é diretora lá, e entende bem de café) e veio nos orientar quanto a montagem da ... A palavra é até cafeteria mesmo, não é lanchonete, não é bar, não é nada... Eu acho que a palavra cafeteria envolve mais do que o próprio grão, envolve também ambiente, atendimento. Cafeteria então eu acho que é mais um rótulo para... um lugar que você se sente bem ... um lugar agradável, com internet sem fio, com cadeiras confortáveis... E a gente tem uma vantagem Érika, a gente faz tudo aqui na cozinha... corta a salada, o pão de queijo: a gente pega o pó que vem no balde e tal....
  
Érika Mezabarba: Como você considera o Atendimento ao Cliente aqui no Estado?
Vagner Benezath: Olha... eu sou meio chato... costumo freqüentar os mesmos lugares e ai eu acabo indo só onde sou bem atendido, aí  acaba que eu não tenho tanto problema, não me estresso! Não só em questão de alimentação, mas questão de roupa também, quando o carro dá problema... para todas essas coisas. Eu vou sempre aos mesmos lugares justamente por isso, por causa do bom atendimento.

Érika Mezabarba: A cafeteria Kaffa já conquistou muitos capixabas (uma clientela que valoriza qualidade). Qual é a sensação de ser dono de um negócio que além de sucesso, é referência na qualidade em atendimento? 
Vagner Benezath: Na verdade sucesso eu não sei Érika... risos. O negócio ainda é muito novo..  ainda têm muito que crescer. E assim... a gente já tem um retorno legal já, se você passar aqui e reparar vai ser sempre as mesmas pessoas, isso é legal! Sinal de que elas estão gostando.
Érika Mezabarba: Pensam igual à você né? (freqüentar onde me tratam bem)! Risos
Vagner Benezath: É mas é sinal de que ainda têm muito para crescer, têm muita gente que ainda não conhece aqui... Para crescer não é fácil! Outro dia teve um cliente que chegou aqui e falou... “há pô eu queria montar um negócio para mim, ter uma vida mais tranquila”. Aí eu disse á ele: a última coisa que você vai ter é uma vida tranqüila se abrir um negócio de comida cara, é a últimaaaa coisaaaa que você vai teeeeer! 
O pessoal pensa assim... que a comida fica pronta assim do nada, que você não precisa fazer compras, não precisa se preocupar com nada! Existem desgastes no dia-a-dia que as pessoas desconhecem.

Érika Mezabarba: Muitos negócios começam com muita qualidade, fazem muito sucesso, mas quando se expandem, perdem qualidade em seus produtos e na relação com o cliente. Existe algum projeto de ampliação para a Kaffa? E como você garantiria que esse "selo de qualidade" adquirido não fosse perdido?
Vagner Benezath: Ampliação a gente ainda não sabe, mas com certeza por eu ser muito novo, minha cabeça não pára. Eu quero mais coisa... ou que seja aumentar aqui ou abrir outra coisa, partir para outro negócio. Mas a idéia é crescer como empresário, isso não tenha dúvida, mas aqui dentro precisamos ainda crescer internamente.
Outra vantagem muito grande (a sociedade com minha mãe); eu garanto a qualidade aqui de fora: do café, do atendimento, da divulgação. E minha mãe se vira na cozinha, garante a mesma receita, os pratos possuem ficha técnica...
Érika Mezabarba: Agora esta explicado porque os pratos aqui são diferenciados!
Vagner Benezath: Porque se não tivesse ela na cozinha, se eu tivesse que passar por trocas de funcionário, eu aqui na frente não poderia garantir!
Érika Mezabarba: Ainda mais que você teria que encontrar um chefe de cozinha bom, que pudesse confiar, e isso não seria nada fácil! rs

Érika Mezabarba: Desde o projeto do seu negócio você pensou na qualidade do atendimento?
Vagner Benezath: Desde o começo, eu sou Relações Públicas né!
Érika Mezabarba: É formado em Relações Públicas?
Vagner Benezath: Sim, e para mim atendimento é fundamental e cafeteria compõem a idéia de bom atendimento, então isso aí é um dos fatores pelo qual eu luto bastante.
Nós estivemos em uma consultoria em São Paulo no ano passado, lá fiz um treinamento de barista. Fizemos umas visitas: em um dia visitamos umas oito cafeterias; é surreal... o atendimento de lá é muito bom mesmo... o ambiente é maravilhoso. E eu achava que era coisa de outro mundo, impossível...que eu nunca consegueria fazer isso. Mas agora... mês passado eu estive lá denovo, depois de um ano.... e vi que nós não estamos assim tão longe, eu vi que a gente conseguiu construir um ambiente legal, que a galera se sinta bem....no twiter nós já temos mais de 1.000 seguidores já!

Érika Mezabarba: Como você acredita que a internet transforma a relação da empresa com o cliente?
Vagner Benezath: A gente que é dono de um pequeno negócio não tem dinheiro para ficar colocando propaganda toda hora, divulgando na televisão, outdoor. Aí tem que ser no boca-boca mesmo e o twiter é uma ferramenta gratuita, muito ágil, você coloca as informações ali, todas as pessoas estão vendo naquela hora. Nós fazemos pesquisa, divulgamos os pratos que estão saindo da cozinha.
E eu acho que essa relação com o cliente é fundamental. A maioria dos novos clientes vêem através da indicação de outros.

Érika Mezabarba: Sobre a importância da qualidade de atendimento ao cliente, poderia deixar alguma sugestão para os empresários e para os futuros empreendedores?
Vagner Benezath: Eu acho que você deve tratar as pessoas como você quer ser tratado, isso aí eu acho que é a palavra chave, se você gosta de ser bem atendido, porque você vai atender mal? Isso aí é que eu não entendo, entendeu?
Érika Mezabarba: Eu também não!!! rs
Vagner Benezath: Me pergunto: será que o dono não ta ali vendo?
Érika Mezabarba: O pior é que às vezes é o próprio dono!
Vagner Benezath: É... é inexplicável... é o que eu estava falando para os meus pais nesse final de semana, sobre as pessoas que abrem e acham que vai dar certo só por estar aberto... e que o negócio vai sozinho, você tem que pensar que ali é seu trabalho, mesmo que você seja seu patrão, precisa se dedicar!
Érika Mezabarba: Eu acho que infelizmente esse pensamento: de foco maior no atendimento é mais presente no empresário que monta um negócio diferente, que precisa atraiar o público, como você precisou de atrair!
Vagner Benezath: Sim, como foi a primeira cafeteria em Jardim da Penha, muita gente achava que aqui era só café expresso e capuchino, e muitas ainda não sabem que vão encontrar um café gelado, ou outras opções. Tem gente que chega aqui e diz “ué tem cerveja”, eu digo: tem, mas é long neck, não é para ficar bêbado não, é para você curtir aí, enquanto não chega seu sanduíche!
Mas também tem gente que reconhece a variedade de opções, tem gente que vem aqui e me diz:
 “Há... Vagner eu não tomo café, mas adorooooro cafeteria!”

      Vagner Benezath
         Foto: Érika Mezabarba


Eu já fui:
Uma amiga minha já comemorou seu aniversário lá e todos convidados aprovaram.
Inclusive, é possível agendar eventos fechados para os sábados.

O local possui internet sem fio e música ambiente, o atendimento é realmente excelente.!!!!!!! Já provei o pão de queijo, o docinho de framboesa, alguns sanduíches e uma bebida gelada (que leva café, mas não é café) rs. E a comida é mesmo uma delícia !!! Aliás Carmen Benezath está de parabéns!

E Vagner ... trabalhar com mãe deve ser tudo de bom heim?... (bateu até uma saudade da minha)! rs

A parceria entre mãe e filho, também é um ingrediente de sucesso da cafeteria Kaffa!
 

Recomendo galera, merece uma estrelinha do blog!


Cardápio:
http://www.kaffacafeteria.com.br/cardapio/cardapio.pdf

Acesso:
Rua Darcy Grijó, 50 - lojas 03 e 04
Jardim da Penha
Próximo à Rua da Lama
Vitória-ES

Contato:
http://twitter.com/kaffacafeteria
3227-2136


quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

A Escola da Ciência – Biologia e História (ECBH)



Fonte da imagem: 3.bp.blogspot.com/.../s400/img_00003091.jpg

Fonte da imagem: sistemas6.vitoria.es.gov.br/.../img_00016088.jpg

Conhece? Nem eu, mas ainda vou lá rs

É um centro de ciências que tem como objetivo sensibilizar crianças, jovens e grande público sobre a importância da preservação e valorização do meio ambiente e do patrimônio cultural, integrando ciência, cultura e sociedade. Tendo como referência o estudo das temáticas capixabas, a ECBH pretende divulgar o conhecimento científico de forma interativa, lúdica e criativa, onde natureza e cultura caminhem de forma entrelaçada e simultânea.

Pode ser considerada também um museu que une natureza e cultura para falar da identidade capixaba. Parte-se do princípio de que esses conceitos não podem ser abordados separadamente, pois o homem cria sua cultura ao interferir no espaço natural. No entanto, a interferência sem reflexão prejudicou os diversos ecossistemas locais, levando à redução da cobertura da Mata Atlântica, à destruição quase completa da Restinga e ao avanço dos aterros sobre as regiões de Manguezal.

A compreensão da identidade local requer uma abordagem interdisciplinar. É preciso colocar em diálogo Biologia e História, uma vez que as relações entre os homens são indissociáveis de suas relações com a natureza.

Inaugurada em 13 de novembro de 2001, a ECBH pertence ao Sistema Municipal de Ensino de Vitória, sendo administrada pela Secretaria de Educação. Em sua implantação, contou com o apoio da Estação Ciência da USP, Casa da Ciência da UFRJ, Museu de Ciência e Tecnologia da PUC-RS e profissionais da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Também relevantes, no sentido de enriquecimento curricular e ampliação do acervo, foram as parcerias formadas com Companhia Vale do Rio Doce (CVRD), Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e Fundação Vitae. O público anual da ECBH é de cerca de 23 mil visitantes/ano, com aproximadamente 80% desse público formado por estudantes em visitas agendadas por suas escolas. Como parte de suas atividades, a ECBH promove cursos, palestras, oficinas para professores, alunos e grande público.Em 2009, a ECBH recebeu 21.567 visitantes, tendo acumulado, desde a sua inauguração, um total de 200090 visitantes.

Atrações

Quem passar pelo museu vai encontrar diversos elementos que facilitam o aprendizado acerca da identidade capixaba. É possível observar maquetes do patrimônio histórico regional; animais taxidermizados oriundos de ecossistemas (Restinga e Mata Atlântica); artefatos arqueológicos, que provam a existência de populações pré-históricas em nossa região; bem como aquários com fauna marinha e fluvial que ocorrem ou não no Espírito Santo.
Em uma das salas, há a maquete do município de Vitória. Nela, podem-se notar as áreas de aterro, o antigo percurso do bonde no centro da cidade, as divisas com outros municípios.
No espaço dedicado ao bairro Santo Antônio, o visitante poderá contemplar diversas fotos antigas e atuais da região e a maquete da Basílica de Santo Antônio. O bairro é o mais antigo da Capital.

As crianças podem participar da oficina de arqueologia. Elas aprendem o que é um sítio arqueológico e conhecem algumas técnicas usadas pelos profissionais em suas escavações.

 

Formação de professores

A equipe da ECBH também se preocupa com a formação continuada do professor. Por isso, pretende contribuir em sua qualificação propondo a reflexão acerca do diálogo entre natureza e cultura a partir do acervo ali existente. A formação, iniciada no segundo semestre de 2009, acontece aos sábados e é voltada, sobretudo, aos educadores da rede municipal de Vitória. Os professores interessados podem obter informações pelo telefone (27) 3332-1612 ou na Gerência de Formação da Seme.

Agendamento das visitas

Grupos formados por mais de 10 pessoas precisam agendar a visita com antecedência. Isso facilita a organização da monitoria da ECBH para um atendimento mais qualificado. O agendamento é feito pelo telefone e-mail ou na própria unidade, e a visitação é gratuita.

Funcionamento:
Segunda à sábado 8 às 12h e de 14h às 18h
feriados 14h às 18h

Acesso:
Av. Dário Lourenço de Souza, nº 790
Bairro Mário Cypreste (Sambão do Povo) 
Vitória – ES.

Contato:
(27)3332-1612

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Matilde

 Cachoeira de Matilde. 
Fonte da imagem: http://www.clubedoturismo.com.br/diario/matilde.html

Distrito de Alfredos Chaves, a pequena cidade é cortada por uma estrada de ferro que vai até o Rio de Janeiro e fica numa região montanhosa que lhe confere o clima fresco e muitas cachoeiras. Possui muitos atrativos, entre eles o Circuito Caminho das Águas: Cachoeira Engenheiro Reeve; Estação Ferroviária; Túnel Encantado; Prainha;Vale Santa Maria Madalena (mirante).

Para  estadia você encontra os charmosos chalés, os campings, as pousadas e um hotel. Em termos de refeição, é possível encontrar comida caseira fresquinha e saborosa, como polenta com carne moída, purê de aipim, carré e frango assados, macarronada, além da dupla tradicional arroz e feijão. O serviço, em geral, é self-service e os preços são bons. Nesses restaurantes também encontra-se guloseimas como rosquinhas amanteigadas, biscoitinhos de maracujá e bombons.


Histórico:
Dividia-se em Matilde Velha e Matilde Nova, onde por primeiro se localizaram os italianos, a uns três quilômetros acima da cachoeira. Matilde era distrito e centro de convergência de outros núcleos a nordeste. Meia dúzia de casas, igrejinha, venda, padaria, da qual Dona Matilde era a padeira. A escola construída pelos colonos foi fechada pelo governo, que lá instalou a delegacia de polícia, porque a professora, coitada, lecionava em italiano. A Matilde Nova esboçou-se junto à ponte e à estação da estrada de ferro, que se chamava Engenheiro Reeve, em homenagem póstuma ao profissional inglês, tocaiado com dois tiros de espingarda. Vinha de Iriritimirim, última parada, na época, trazendo doze contos de réis para o pagamento dos operários. Ainda teve tempo de salvar o dinheiro, atirando a maleta numa ramada de espinhos arranha-gato. Eram poucos os moradores de Matilde Nova. O guarda-chaves, Seu Batistella, casado e com filhas, hospedava seu superior hierárquico, Pedro Sposito, agente da estação. A família de maior nomeada era a de Giacomo Provedel. Influente negociante e homem prestativo foi também Ângelo Modulo. Havia o armazém do Lisandro Nicoletti, comprador de café e grande proprietário, estabelecido em Vitória, cujo gerente, em Matilde, era o ferreiro mecânico Aurélio Mainardi. Certa vez Lisandro Nicoletti foi tocaiado por um bando e só escapou porque se fez de morto, depois de receber mais de dez tiros. Só perdeu o animal de sela. Tempos depois tentaram saquear-lhe a casa de negócios. Não foi só o atentado ao engenheiro Reeve que perturbou o sossego da pacata colônia de italianos; oriundos de Treviso, Udine, Beluno e Cremona, chegados de 1880 a 1890, eram boa gente. O distrito contava 370 famílias e foi perturbado várias vezes por bandos de jagunços. De quando em quando os italianos se assustavam. Habitualmente moravam nos fundos de seus estabelecimentos comerciais e a peça mais importante era a cozinha, onde a família se movimentava. por Ralph Mennuci Giesbrecht. 

 
 Linha férrea
Foto:Gizeli de Jesus


 Linha Férrea: O que mais tarde foi chamada linha do litoral foi construída por diversas companhias, em épocas diferentes, empresas que acabaram sendo incorporadas pela Leopoldina até a primeira década do século XX. O primeiro trecho, Niterói-Rio Bonito, foi entregue entre 1874 e 1880 pela Cia. Ferro-Carril Niteroiense, constituída em 1871, e depois absorvida pela Cia. E. F. Macaé a Campos. Em 1887, a Leopoldina comprou o trecho. A Macaé-Campos, por sua vez, havia constrtuído e entregue o trecho de Macaé a Campos entre 1874 e 1875. O trecho seguinte, Campos-Cachoeiro do Itapemirim,foi construído pela E. F. Carangola em 1877 e 1878; em 1890 essa empresa foi comprada pela E. F. Barão de Araruama, que no mesmo ano foi vendida à Leopoldina. O trecho até Vitória foi construído em parte pela E. F. Sul do Espírito Santo e vendido à Leopoldina em 1907. Em 1907, a Leopoldina construiu uma ponte sobre o rio Paraíba em Campos, unindo os dois trechos ao norte e ao sul do rio. A linha funciona até hoje para cargueiros e é operada pela FCA desde 1996. No início dos anos 80 deixaram de circular os trens de passageiros que uniam Niterói e Rio de Janeiro a Vitória. 


Estação de Matilde. Fonte: http://www.clubedoturismo.com.br/diario/matilde.html


Estação: A estação de Matilde foi inaugurada em 1902 ainda pela E. F. Sul do Espírito Santo. Chamava-se à época Engenheiro Reeve. Este nome foi pouco depois alterado para  Matilde, que era mesmo o nome do povoado que ali existia, e transferido para uma estação do ramal Sul do Espírito Santo, entre Espera Feliz e Coutinho. A estação ficava próxima à ponte da ferrovia sobre o rio Benevento. A linha havia chegado aí e parado, em 1902. A Leopoldina retomou as obras com o objetivo de levar a linha até Cachoeiro do Itapemirim. A época da greve dos operários da E. F. Vitória a Minas coincidiu com a retomada da ligação ferroviária Matilde-Cachoeiro de Itapemirim, pela Leopoldina (em 1907). A celebrada Estrada Sul do Espírito Santo, iniciativa do Governo Muniz Freire, com a finalidade de ligar Vitória a Cachoeiro, estancou em Matilde, quando da crise de 1900. Meu pai foi o primeiro tarefeiro admitido pelo famoso engenheiro Caetano Lopes, chefe da construção. Acampou à margem da ponte sobre o rio Benevente, que logo adiante, 500 metros talvez, se despeja em belíssimo salto de mais de sessenta metros de altura. Foi um sorriso em nossa angustiosa vida de garimpeiros. Depois do salto belíssimo, a paisagem que o rio descreve - erodindo espigões cobertos de quaresmeiras e samambaias, em contraste com o prateado das embaúbas, o verde escuro dos cafezais em pequenos talhões, o milharal em desordem, as casas de colonos de tanto em tanto, com seus telhados agudos ora de zinco, ora pintados a zarcão, ora de tabuinhas negras de caruncho, aquelas capelas devotas com sineiras em torres piramidais - empresta um bucolismo tranqüilo ao povoado que estacionara com a crise do café do fim do século e com a paralisação da construção da estrada de ferro. 



Principais Cachoeiras:

Cachoeira da Matilde
A maior queda é a da chamada Cachoeira de Matilde (62m de queda), onde não é preciso entrar na água para se molhar, o impacto é tão grande que parece está sempre chovendo. É difícil até fotografar sem sair com a lente úmida. Os mais corajosos descem pelas pedras e ficam atrás do véu de água da grande queda, faz um forte barulho lá perto!


 Queda d'agua Cachoeira de Matilde.
Foto: Gizeli de Jesus
 
Para se chegar na cachoeira , deve-se ir para Alfredo Chaves, que fica na Serra Capixaba( a entrada para a cidade fica a 22km ao sul de Guarapari na BR 101 ou  a 13km de Iconha , para quem vem do sul na mesma rodovia) e anda-se mais uns 15km em estrada de terra.Pergunte para os minhocas como se chega lá que não tem erro. É uma cachoeira linda e pouco divulgada no Brasil. Vale muito a pena conhece-lá.

Cachoeira da Vovó
Perto dessa cachoeira tem a Cachoeira da Vovó , que também vale uma visita. Ela é formada pela passagem de um rio relativamente largo por 2 degraus bem altos formando uma cachoeira em cima da outra.


Para quem quer aventura: rapel, escalada, esse é o site da empresa que oferece essa opção:
http://www.planetavertical.com.br/


Eu já fui:
Eu fiz uma caminhada com um grupo de aproximadamente 20 pessoas, saímos de Araguaia  (também distrito de Alfredo Chaves), andamos aproximadamente 11km pela ferrovia, rumo à Matilde. O caminho é cheio de surpresas, encontramos nascentes de água e alguns pontos que dá medo de atravessar, pois os trilhos são estreitos e alguns pareciam ter abismos em baixo.

Chegamos em Matilde, alguns foram descansar, outros conhecer a Estação, é lamentável que a Estação de Matilde esteja abandonada, o lugar possui um grande potencial turístico que merece cuidados de preservação.

A cidade é pequenininha mesmo, mas os moradores e os comerciantes são muito acolhedores. Almoçamos comida caseira em um restaurante, muitas pessoas foram se banhar no rio que passa pela cidade e fica bem próximo das pousadas e dos restaurantes.

   Rio que cito no trecho acima.
Foto: Érika Mezabarba
Pessoal caindo no rio próximo ao restaurante
Foto: Gizeli de Jesus

Depois conhecemos a Prainha (uma cachoeira menor), que forma bacias de água, mas lembra praia mesmo, bem  gostoso lá! Água geladinha rs. 

  Prainha
Foto: Érika Mezabarba Riva

A grande "cachoeira de Matilde" só fomos para conhecer mesmo, pois onde ela se forma não é possível se banhar, devido a força da queda de água, como é mostrado nas primeiras fotos.

Um dia volto lá para conhecer as outras cachoeiras, recomendo o passeio!

Acesso:
Localização: 
Central Espírito-Santense

Limites: 
Ao norte – Marechal Floriano e Domingos Martins
Ao sul – Iconha e Rio Novo do Sul
A leste – Anchieta e Guarapari
A oeste – Vargem Alta
Acesso Rodoviário:
Br 262, entrar no trevo para Araguaia.

81 Km de Vitória-ES


Fonte:http://www.clubedoturismo.com.br/diario/matilde.html+matilde+es&ct=clnk
http://www.ferias.tur.br/informacoes/1931/matilde-es.html