segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Cachoeira da fumaça - Alegre

 HISTÓRIA

"Distante 4 léguas desta povoação (Alegre) acha-se, no braço sul do Rio norte ou Itapemirim, a Cachoeira da Fumaça, assim denominada por causa da neblina, que sobre ela se eleva.

Tem na sua 1ª capadupa, segundo se calcula 275 braças de altura, e 100 a 2ª do principio da qual as ágoas precipitadas da 1ª resvalão estrepitosamente para o abismo.

Na 1ª correm as ágoas velozmente por entre alcantilados penhascos como uma entumecida massa espumosa, semelhante na cor ao leite; e na 2ª as ágoas deixando entre si e a pedra, sobre que tem corrido, um vácuo de 4 braças, atirão-se de um só jacto sobre as pedras que se veem em baixo da Cachoeira, produzindo-o no embate contra essa muralhas um movimento semelhante ao das ondas contra os arrecifes nas praias: os borbotões d'agoa elevam-se ahi a uma grande altura, d'onde resulta a permanente existência de uma neblina expessa, que em tempo sereno conserva-se prairada, e em tempo de forte briza, transformando-se em chuva, vai cahir longe, regando assim o terreno adjacente à cachoeira, na distância de 20 braças.

Segundo affirmão, moradores de perto da cachoeira, algumas pedras, que embaixo della parecião estar eternamente condennadas a soffrer com paciência a queda das ágoas, tem rolado com estas com um estampido que se faz ouvir muito longe .

O ruído da cachoeira é tão forte que quando o vento favorece, cente-se à noite em logares que ficão distantes della 3 légoas.

A margem sul do rio embaixo da cachoeira na extensão de 20 braças de largura, assemelha-se em certa épochas do anno a um jardim de flores roxas, amarellas e brancas que se veem pendentes aos pequenos arbustos, únicos que se notão n'aquella extensão, e que só recebem as criptalinas gottas que, da neblina elevada sobre a cachoeira, sob elles arremessa a briza.

É do meio deste jardim; é pisando este tapete de relva, esmaltado de flores, que o homem contempla o bello majestoso da cachoeira, e, quando tócos de madeira, levados, pela corrente, chocão-se entre si, ouve sons armoniozos às vezes, às vezes um rufar semelhante a uma caixa de guerra, e às vezes uma gritaria, como se ahi estivessem muitas pessoas fazendo algazarra: é d'hai ainda que, além destes calhaos de pedra que, atirados uns sobre outros, são um monumento histórico do dilúvio universal, dessa revolução violenta e súbita, que soffreu a terra por causa dos pecados do homem: além dessas massas de granito, que a sciência tem reconhecido, terem sido em estado líquido; e além dessa ágoas, que por um machinismo maravilhoso, que trabalha sem fadiga e constantemente, rolão para margem, deste partirão, para d'ahi partirem ainda, a fim de saciar tudo, terras, homens, animais e plantas: o homem com pasmo observa, através da nuvem de fumaça, arcos-ires produzidos pelo reflexo dos raios do sol, quando este rei dos astros, subindo do seu leito, começa a lançar-se como um gigante em sua carreira; aprendendo assim o homem que a luz imcomprehensível em sua essência inesplicável em sua velocidade, e provocando uma, indivisível e de uma só côr, multiplica-se e divide-se em muitas côres differentes para variar ao infinito o quadro da natureza inteira. O encarnado da rosa, o amarello dourado da laranja, o amarello alvacento dos trigos maduros, o verde da primavera, o azul claro da abóboda celeste, o azul ferrete do anil e o colorido modesto da violeta são as 7 cores, em que o mesmo raio do sol se divide por uma gota d'agua, e que estão nas mesmas relações entre si, que as 7 notas da música; e comtemplando-as na cachoeira o homem, cuja alma se arrouba e remonta à sua origem para bendizer o Eterno Pintor, que só poderia fazer tais maravilhas, tendo mais esta opportunidade de considerar no mystério, que encerra o número 7, além das que offerece a Scriptura que diz: que Deus fez e santificou o Universo em 7 dias; que diante do seu Throno conservão-se em pé 7 Anjos ou Espíritos; que diante da Arca Santa Luzia a candeia de ouro de 7 braços; que o anno da remissão era annuniado por 7 trombetas de júbilos, que o Livro eterno é fechado por 7 sellos; que o Cordeiro que os rompe tem 7 cornos ou raios, 7 olhos ou espíritos; que o sól da justiça se comunica a nós por 7 sacramentos ou irradiações differentes; e que o espírito da charividade se comunica por 7 dons ou raios diversos: o homem, repito, vê que a luz e a palavra creada são, uma por suas 7 cores principais e a outra por seos principais tons, uma sombra e como um écho da luz e da palavra encreadas, e que assim como um mesmo raio absorvido deixa ver o preto, que é a ausência de toda a cor como o negro do ébano; dividido, deixa ver as côres intermediárias como o preto e o branco, e reunido faz apparecer o branco, que é a reunião dessas côres intermediárias como o branco do lírio; assim também os diversos raios da luz increada absorvidos ou annulados pelos homem, não deixão ver nelle senão a ausência da luz, a ausência do bem, a ausência da vida, enfim as trevas, o mal e a morte, a que é condenado e reprovado; fielmente reunidos um com outro, nelle fazem brilhar o explendôr dos perfeitos, isto é, uma imagem do explendôr, da vida e da perfeição divina; e conservados em parte n'outro fazem luzir nelle traços de eterna belleza."

Descrição da cachoeira da Fumaça, escrita, provavelmente, da década de 1870, pelo padre Manoel Pires Martins e transcrita do Livro Tombo da Freguesia do Alegre, folhas 19v até 20v (transcrito do Livro Tombo do Itapemirim, documento número 75).

Extraído do Livro "NOSSAS RAÍZES - O ALEGRE ATÉ O ANO DE 1920: FATOS E BIOGRAFIAS" Autor: Carlos Magno Rodrigues Bravo
 O PARQUE

O Parque Estadual da Cachoeira da Fumaça foi criado através do Decreto nº 2.791-ES (24 de agosto de 1984) e complementado através do Decreto nº 4.568-E (21 de setembro de 1990), quando então o Governo do Estado, atendendo uma demanda dos moradores dos municípios de Alegre, Guaçuí e Castelo e de outros Estados da Federação, desapropriou uma área de 27 ha, coberta basicamente de pastagem, mas que continha em seu interior a cachoeira do rio Braço Norte Direito ou Cachoeira da Fumaça, que atraía milhares de visitantes devido à sua grande beleza cênica.
A sua cobertura original é do tipo Floresta Estacional Semidecidual, que, ao longo dos anos, foi sendo recomposta, com plantios de essências nativas/frutíferas. Apesar de suas dimensões implicarem em uma fauna reduzida, observou-se, com o replantio, o retorno de aves e pássaros como siriema, beija-flor, rolinha, bem-te-vi, gavião, jurutí, dentre outros.
O rio Braço Norte Direito além de contribuir com a beleza cênica do local, através da Cachoeira da Fumaça com seus 140 metros de queda, é um afluente do rio Itapemirim, abastecendo vários centros urbanos.

O acesso ao Parque está completamente pavimentado.
O estacionamento comporta 72 veículos.





Fonte:http://www.alegre.es.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=162&Itemid=108



Eu já fui:

A rodovia que dá acesso à cachoeira é "pista simples", com muitas curvas e sinalização de trânsito precária, portanto muita ATENÇÃO!!! O acesso à Cachoeira é bem sinalizado! Não dá para se perder... será necessário sair do asfalto principal e descer uma forte ladeira (calçada com paralelepípedo), estive lá em julho desse ano (2012), as margens dessa ladeira estava com o mato alto precisando de podagem!

 Na entrada do Parque existe o Centro de recepção ao turista; onde conhecemos a história da Cachoeira, seus limites... Tudo isso explicado por profissionais capacitados e bem treinados, que utilizam instrumentos como mapas e fotos para apresentar os dados.
Abraço para o Vinícius, acho que é Vinícius mesmo quem nos recepcionou! rs


Centro de recepção ao turista
Foto: Érika Mezabarba

Também possui um espaço destinado à venda de artesanato, doces... produzidos pelos moradores da região:
Artesanato da região
Foto: Érika Mezabarba

Dentro do Parque (onde os turistas entram) esta muito bem cuidado, possui estacionamento com sombra, espaço destinado às crianças (biblioteca, brinquedos...)

 Foto: Arquivo pessoal

Mesas e banquinhos de madeira espalhados pelo parque, dá próxima vez volto para fazer um pic-nic, pois pode entrar com bebida e comida, mas é proibido fazer churrasco viu gente! A água? é limpinha sim, pelo ou menos no dia em que eu fui estava cristalina, mas bem fria!! rs Existem pequenas piscinas naturais ao redor da Cachoeira, ideal para crianças, mas atenção as pedras são escorregadias e não tem salva-vidas lá não!!!! rs 
Recomendo o passeio!!!!

Acesso:
O Parque Estadual da Cachoeira da Fumaça está localizado no Município de Alegre, distante aproximadamente 33 Km da sede municipal e 228 Km da capital do Espírito Santo. O acesso se dá por estrada pavimentada com calçamento de paralelepípedo, em perfeitas condições de tráfego de veículos de pequeno porte.

Partindo de Alegre, o acesso se dá pela BR-482, sentido Guaçuí. A 10 Km de Alegre, no distrito de Celina, o turista deverá seguir à direita pela rodovia ES-185 sentido Iúna. A estrada de acesso à Cachoeira estará a cerca de 20 km. Existe sinalização turística indicativa do Parque Estadual.

Quem vem de Minas pela BR-262 (Belo Horizonte - Vitória) deve entrar à direita no trevo de Iúna. Depois de passar por esta cidade, continuar em direção a Alegre. Cerca de 10 km após o município de Ibitirama está a indicação do acesso à Cachoeira, à esquerda.

Quem vem do Rio de Janeiro (Bom Jesus do Itabapoana), deve seguir até Guaçuí e depois sentido Alegre. Celina fica 10 km depois, onde se entra com direção a Iúna.
Funcionamento:
O órgão responsável pelo Parque Estadual é o IEMA (Instituto Estadual do Meio Ambiente), do Governo do Estado. Para visitar a Cachoeira da Fumaça não é necessário marcar com antecedência, a não ser que seja um grupo grande de pessoas. Neste caso, é bom agendar a visita. O número de visitantes é de 610 pessoas/dia.

Não existe área de camping dentro do parque. Entretanto, anexo à Cachoeira da Fumaça existe um restaurante e lanchonete que possui área especifíca para acampamento. Recomendamos que, caso queira acampar no parque, entre antes em contato com o IEMA (www.iema.es.gov.br).
O IEMA publicou no dia 15 de dezembro de 2010 a Instrução Normativa n° 09, que estabelece normas de visitação e utilização das dependências do Parque Estadual da Cachoeira da Fumaça. No documento está especificado aspectos importantes para quem desejar visitar o parque, tais como condições de camping (é proibido), alimentação, banho, animais domésticos, entre outros. Para baixar a Instrução Normativa, clique aqui.

O Parque funciona todos os dias, das 08 às 17 horas. O acesso é gratuito. Contatos através do e-mail
--> pecf@iema.es.gov.br --> Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. --> ou pelo telefone (28) 9904 4824.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo contato!