quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Muqui é sede do 67° Encontro Nacional de Folia de Reis




 Um dia inteiro de cores, musicalidade e a fé que ocuparão as ruas do Sítio Histórico de Muqui. É a 67ª edição do Encontro Nacional de Folia de Reis, um dos mais tradicionais eventos folclóricos e artísticos do Estado, que acontece no próximo sábado (12). O festejo contará com 51 grupos folclóricos de três estados e 24 municípios.O evento é um momento de intercâmbio que promove a difusão da cultura popular e a troca de informações de uma tradição familiar que atravessa alguns séculos, e na oportunidade, é apresentado ao publico presente essa tradição. A entrada é franca.
 O Encontro começa às 10 horas e segue até às 19 horas. A concentração dos foliões para o início dos festejos será na tenda cultural, localizada no Jardim Municipal. Durante todo o dia haverá diversas atividades como Encontro de Mestres, cortejo, bênção na Igreja de São João Batista, cantoria em diversos locais da cidade e apresentação dos Palhaços da Folia.Um dos destaques que mais chamam atenção é a beleza dos grupos, compostos por músicos que tocam vários instrumentos, a maioria de confecção artesanal, além das fantasias coloridas e as máscaras criativas dos Palhaços da Folia.
   0 67º Encontro Nacional de Folia de Reis de Muqui é uma realização da Prefeitura de Muqui, com patrocínio do Banestes e apoio do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), da Comissão Espírito-Santense de Folclore e da Associação de Folclore de Muqui.
 História
 Em 1950, foi realizado o Torneio de Folias em Muqui, evento que deu origem ao Encontro Nacional de Folias. É o mais antigo e maior encontro de Folias do Brasil. De origem europeia, esse folguedo está ligado às festividades natalinas da igreja. Em terras brasileiras, a Folia de Reis ganhou força no século XIX, nas regiões onde a cafeicultura prosperou, sobretudo nas pequenas cidades de estados como Minas Gerais, Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro e Goiás.

 Programação:

 67º ENCONTRO NACIONAL DE FOLIA DE REIS DE MUQUI

12 de agosto de 2017 – sábado
07h00min às 09h30min – Chegada das Folias de Reis de diversas cidades do Brasil e
credenciamento.
10h – Abertura oficial do evento e Cantoria das Folias de Reis (Tenda Cultural –
Jardim Municipal)
11h - Reunião dos Mestres (Teatro Nenên Paiva)
11h30min às 13h30min - Almoço
14h – Formação do Cortejo (Rua Sandoval Reis Portugal)
15h – Saída do Cortejo das Folias de Reis nas ruas principais da cidade
16h – Benção das Folias de Reis na Igreja São João Batista
17h – Apresentações das Folias de Reis em diversos pontos históricos da cidade
18h – Grande Encontro das Folias de Reis com apresentação dos palhaços e entrega
do troféu de participação (Tenda Cultural – Jardim Municipal)
19h – Encerramento

Informações:
Secretaria Municipal de Turismo e Cultura de Muqui: telefone: (28) 3554 1456
Facebook: Folias de Reis Muqui ES

PARTICIPANTES

01 Folia de Reis Estrela Guia do Mártir São Sebastião
Mestre: José Rodrigues de Souza (Muqui ES)

02 Folia de Reis Estrela da Manha
Mestre: Adauto Francisco Gomes (Muqui/ES)

03 Folia de Reis do Oriente
Mestre:Dulcino Gasparelo (Muqui/ES)

04 Folia de Reis Cruzeiro do Sul
Mestre: João Batista Roncarti (Muqui/ES)

05 Folia de Reis Estrela do Norte
Mestre: José Rosa Caridade e José Mariano (Muqui/ES)

06 Folia de Reis Cruzeiro do Sul
Mestre: Martilei R. Moreira Braga (Muqui/ES)

07 Folia de Reis Estrela Paz do Oriente
Mestre: José Inácio de Souza (Muqui/ES)

08 Folia de Reis Estrela Gloriosa
Mestre: João Geraldo Ribeiro (Muqui/ES)

09 Folia de Reis de São Sebastião
Mestre:Francisco Manto Vanelo (Afonso Claudio/ES)

10 Folia de Reis Santa Rita de Cássia
Mestre: Patrick Pires do Nascimento (Alegre/ES)

11 Folia de Reis Estrela Guia
Mestre: Wyhago Cosme da Costa Pimentel Ataides (Alegre/ES)

12 Folia de Reis Estrela do Oriente
Mestre: Danilza Ester Rosalem (Alfredo Chaves/ES)

13 Folia de Reis dos Primos
Mestre: Rafael Gonçalves Antonio (Apiaca/ES)

14 Folia de Reis Estrela do Luar
Mestre: Antonio Alves de Barros Filho (Atilio Vivacqua/ES)

15 Folia de Reis Estrela do Oriente
Mestre: Antonio Pedro Alves Mendes (Atilio Vivacqua/ES)

16 Folia de Reis Recordação do Passado
Mestre: Francisco Dias de Oliveira (Atilio Vivacqua/ES)

17 Folia de Reis Três Reis Magos
Mestre: Leandro Lopes de Carvalho (Bom Jesus do Itabapoana/RJ)

18 Folia de Reis Sagrado Coração de Maria
Mestre: Leonardo Lopes de Carvalho (Bom Jesus do Itabapoana/RJ)

19 Folia de Reis São Sebastião
Mestre: Sebastião Geraldo da Silva (Bom Jesus do Itabapoana/RJ)

20 Folia de Reis Estrela da Guia
Mestre: Sebastião Cordeiro de Souza (Bom Jesus do Norte/ES)

21 Folia de Reis Dois Irmão Estrela Guia Bom Jesus do Norte
Mestre: Celso Carvalho de Oliveira (Bom Jesus do Norte/ES)

22 Folia de Reis Estrela Guia
Mestre: Eraldo Duarte de Oliveira (Bom Jesus do Norte/ES)

23 Folia de Reis Missão Divina
Mestre: Wilson Diniz Cecon (Cachoeiro de Itapemirim/ES)

24 Folia de Reis “Estrela do Mar”
Mestre: Rogério Vieira Machado (Cachoeiro de Itapemirim/ES)

25 Folia de Reis Charola de São Sebastião
Mestre: Isaías Quirino da Silva (Cachoeiro de Itapemirim/ES)
26 Folia de Reis Estrela do Mar
Mestre: Elenilton Figueira Mesquita (Cardoso Moreira/RJ)

27 Folia de Reis Reisado Flor do Oriente
Mestre: Rogerio Silva de Moraes (Duque de Caxias/RJ)

28 Folia de Reis Estrela do Oriente
Mestre: Reginaldo Farinazo Zacarias (Itaperuna/RJ)

29 Folia de Reis Nossa Senhora Aparecida
Mestre: Aurênio Machado Gouveia (Italva/RJ)

30 Folia de Reis Estrela de Belém
Mestre: Jomar Martins Ligiéro (Laje do Muriaé/RJ)

31 Folia de Reis Estrela do Oriente
Mestre: Delis Pedro de Oliveira (Mimoso do Sul/ES)

32 Folia de Reis Bandeira Santos Reis Nossa Senhora
Aparecida
Mestre: Souza (Mimoso do Sul/ES)

33 Folia de Reis Estrela Prata
Mestre: José Ferreira  (Mimoso do Sul/ES)

34 Folia de Reis Paz e Harmonia
Mestre: Valdemir Ferreira Finamor (Miracema/RJ)

35 Folia de Reis Nova Estrela do Oriente
Mestre: Rafael Bonifacio Finamor (Miracema/RJ)

36 Folia de Reis Santo Antonio do Amorim
Mestre: José Gomes (Muniz Freire/ES)

37 Folia de Reis Santa Barbara
Mestre: Heraldo da Rocha (Muniz Freire/ES)

38 Folia de Reis Estrela Guia
Mestre: Fabio Ribeiro Gomes da Silva (Muniz Freire/ES)

39 Folia de Reis Estrela de Davi
Mestre: Wilson Balbino da Silva (Muriaé/MG)


40 Folia de Reis Cantata de Reis
Mestra: Marilda Silvares Santos (Nova Venécia/ES)

41 Folia de Reis de Santa Tereza
Mestre: Reny Nascimento Biasutti (Santa Tereza/ES)


42 Folia de Reis Bandeira Divino Espírito Santo
Mestre: Paulo Ricardo Santiago (Santo Antonio de Pádua/RJ)

43 Folia de Reis Bandeira Três Irmãos
Mestre: Aderbal Ferreira (Santo Antonio de Pádua/RJ)

44 Folia de Reis Bandeira Branca de Neve
Mestre: Pofirio Teixeira da Silva (Santo Antonio de Pádua/RJ)

45 Folia de Reis Santos Reis de São Benedito
Mestre: Modestino Rodrigues Filho (São José do Calçado/ES)

46 Folia de Reis Nossa Senhora de Fatima
Mestre: Alexandre da Silva Gumiero (São José do Calçado/ES)

47 Folia de Reis Estrela Radiante
Mestre: Sebastião Ramos da Cunha (São José do Calçado/ES)

48 Folia de Reis Estrela Guia
Mestre: Durval Pizetta (Vargem Alta/ES)

49 Folia de Reis Nossa Senhora Aparecida
Mestre: Geneci Ferreira Berudio (Venda Nova/ES)

50 Folia de Reis Estrela Guia
Mestre: Dionisio Botacin (Venda Nova/ES)

51 Folia de Reis Estrela do Por do Sol (Convidada)
Mestre: Elias Silva dos Santos (Cachoeiro de Itapemirim/ES)

Assessoria de Comunicação da Secult
Carol Veiga / Erika Piskac / Danilo Ferraz
secultes.imprensa@gmail.com
comunicacao@secult.es.gov.br
Tels.: 3636-7111/99808-7701/99902-1627
Facebook: secult.espiritosanto
Texto: Danilo Ferraz

Fonte: https://secult.es.gov.br/Not%C3%ADcia/muqui-e-sede-do-67-encontro-nacional-de-folia-de-reis

Mary Di traz show com performances teatrais e circenses para o palco do Teatro Sesc Glória




Nesta sexta-feira (04), às 20 horas, a banda Mary Di apresenta o show “A Peça”, no palco do Centro Cultural Sesc Glória, no Centro de Vitória. O espetáculo mistura circo, teatro e música e funciona para grandes e pequenos palcos. Em 2014 a banda foi selecionada entre os 40, dos 5 mil inscritos de todo o país para participar do programa Superstar, exibido pela TV Globo e após a participação, Mary Di evoluiu para uma nova estética musical e teatral.  A entrada para o show é gratuita e os ingressos devem ser retirados 1 hora antes do espetáculo, na bilheteria do Teatro Carlos Gomes.  
  Mary Di é uma banda com uma proposta musical e cênica que traz uma personagem, de mesmo nome, interpretada por Maria Barros, musicista, compositora e atriz que também atuou como idealizadora e fundadora do projeto ao lado seu parceiro Roberto Mattos. O nome da banda surgiu de uma sátira à palavra “married” (casados), misturada com “Mary”, apelido de Maria. O casal vive da música há cerca de dezessete anos, e buscam uma autenticidade e qualidade profissional em seu trabalho.
O conceito artístico da banda traz influencias do estilo pop rock, blues, jazz e folk. Maria Barros criou a personagem Mary Di, inspirada pelo seu público, que possui uma característica suave e ao mesmo tempo provocativa nas apresentações.  A personagem questiona padrões e expõe, de forma ironizada, o esteriótipo da mulher e da artista na sociedade.
O espetáculo “A Peça”, criado em 2015, também carrega a temática abordada pela personagem Mary Di, questionando o papel do artista na sociedade atual, e se destaca pela beleza da composição, cenário e intervenções com nuances circenses e teatrais. A apresentação foi aprovada via Edital 014/2016, de Projetos Culturais Setoriais de Música da Secult e conta com o apoio do Instituto Sincades e do Centro Cultural Sesc Glória.

SERVIÇO:
Local: Teatro Glória – Centro Cultural Sesc Glória, Centro de Vitória.
Data: 04 de agosto (sexta-feira)
Horário: 20h
Classificação: Livre
Duração: 120 minutos
Entrada gratuita.

Texto: Mariana Cristina Rocha
Estagiária do Teatro Carlos Gomes
pautacarlosgomes@secult.es.gov.br
Tels.: 3132-8399
Facebook: teatrocarlosgomes
Instagram: tcg.es

Fonte: https://secult.es.gov.br/Notícia/mary-di-traz-show-com-performances-teatrais-e-circenses-para-o-palco-do-teatro-sesc-gloria

Orquestra Sinfônica se apresenta no Teatro do Sesi nos dias 9 e 10 de agosto




Nas próximas quarta (09) e quinta-feira (10), às 20 horas, a Orquestra Sinfônica do Estado do Espírito Santo (Oses) irá apresentar obras de dois célebres compositores alemães: Brahms e Mendelssohn, dando continuidade às suas séries ‘Quarta Clássica’ e ‘Quinta Clássica’. Sob a regência do maestro adjunto da Oses, Leonardo David, os destaques da noite são a presença da violinista Gabriela Queiroz e a mudança de local. Desta vez, o programa será apresentado no Teatro do Sesi, em Jardim da Penha, Vitória, pois o Teatro Carlos Gomes está fechado para reparos técnicos.
Os ingressos – sempre a preços populares – podem ser adquiridos com antecedência na bilheteria do Teatro do Sesi, das 13h às 17h, e no dia da apresentação, a partir das 18h, caso haja disponibilidade de assentos.
Do compositor alemão Johannes Brahms, a Oses apresentará, pela primeira vez, a sua Serenata n.º 1. Composta entre 1857 e 1858, a obra foi pensada, inicialmente, para uma pequena orquestra, com nove instrumentos de sopros e cordas. Entretanto, seus amigos, Clara Schumann e Joseph Joachim o estimularam a fazer uma versão para uma orquestra maior, que incluísse metais, tímpanos e mais instrumentos de sopro das madeiras. E assim foi feita a versão final da Serenata, que tem seis movimentos.
Já de Felix Mendelssohn, será apresentada uma de suas obras mais conhecidas, o célebre Concerto para Violino em mi menor, composto entre 1838 e 1844 e revisado em 1945. De acordo com o maestro titular da Oses, Helder Trefzger, “trata-se de um dos concertos para violino mais populares de todos os tempos, que conjuga lirismo, alegria, força e paixão a uma escrita meticulosa e refinada – uma obra-prima”.
Destaque para a solista da noite, Gabriela Queiroz, que iniciou seus estudos de violino aos quatro anos, em João Pessoa, sob orientação do professor Ademar Rocha. Graduou-se no Conservatório Brasileiro de Música, em 2007, e teve como professores Marcello Guerschfeld (RS), Patinka Kopec e Shmuel Ashkenasi (Chicago/ EUA). Em 2014, obteve o título de Mestre em Música pela Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), sob orientação do professor André Cardoso.
Foi vencedora de diversos concursos no Brasil, entre eles o “Jovens Instrumentistas do Brasil” – Piracicaba 2001, o “Jovens Solistas da Orquestra Sinfônica da Bahia” 2003 e 2006, o “Furnas Geração Musical” – Rio de Janeiro 2006, e o “Concurso Nelson Freire”– Rio de Janeiro 2010.
Participou de diversos festivais e cursos nacionais e internacionais, como “Margess International” (Zuoz Suíça/2005) e o Keshet Eilon Violin Mastercourse (Israel/2010 e 2013), onde pode participar de Master Classes com renomados violinistas como Chaim Taub, Ida Handel, Ivry Gitlis, Shlomo Mintz, Hagai Shaham, Vadim Gluzman, Gilles Apap dentre outros. Em2011 participou de Master Classe com o violinista Pinchas Zukerman, em SãoPaulo.
Gabriela se apresenta com frequência como solista em todo o Brasil e no exterior, tendo atuado junto à Orquestra Sinfônica Brasileira, Orquestra Filarmônica do Espírito Santo, Orquestra Sinfônica de Sergipe, Orquestra Sinfônica da Bahia, Orquestra Sinfônica do Paraná, Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, Orquestra Sinfônica Nacional do Paraguai, dentre outras. Como camerista, tem se apresentado ao lado de renomados músicos, dentre eles Shmuel Ashkenasi, Ori Kam, Gilad Karni, Alex Klein, dentre outros.
Foi violinista da Orquestra Sinfônica Brasileira, entre 2003 e 2010, e em 2011 integrou a Young Euro Orchester. Atualmente é professora da Escola de Música da UFRJ.

SERVIÇO:
“SÉRIES QUARTA E QUINTA CLÁSSICAS”
Obras de: Brahms e Mendelssohn
Regência: Maestro Leonardo David
Solista: Gabriela Queiroz, violino
Local: Teatro do SESI (Espaço Cultural Rui Lima do Nascimento. Rua Tupinambás, 240 - Jardim da Penha, Vitória - ES)
Data: quarta (09) e quinta-feira (10)
Horário: 20h
INGRESSOS: R$ 2 (inteira) e R$ 1 (meia). Os ingressos podem ser adquiridos com antecedência na bilheteria do Teatro, das 13h às 17h. No dia da apresentação, a partir das 18h, caso haja disponibilidade de assentos.
Informações: (27) 3334-7323/7313 (telefone do teatro).

Fonte: https://secult.es.gov.br/Not%C3%ADcia/orquestra-sinfonica-se-apresenta-no-teatro-do-sesi-nos-dias-9-e-10-de-agosto

Terra Vermelha recebe a primeira apresentação da série ‘Orquestra nas Ruas’




A Orquestra Sinfônica do Estado do Espírito Santo (Oses) se prepara para dar um toque inovador em suas apresentações. A partir do dia 30 de agosto começa mais uma edição da série “Orquestra nas Ruas”, quando músicos e maestro saem do palco do Teatro Carlos Gomes e vão até ruas, praças, centros comunitários e terminais de ônibus. O primeiro local que vai receber a atração é Terra Vermelha, em Vila Velha. Os concertos seguem na Quadra da Piedade, em Vitória, e no Terminal de Campo Grande, em Cariacica.
Em clima de flash mobs – ou seja, ações em forma de intervenções musicais que vão ocorrer em locais inusitados da Grande Vitória –, as apresentações pretendem aproximar ainda mais o público da música clássica brasileira e internacional.
A ideia, de acordo com o maestro Helder Trefzger, é tornar o estilo erudito mais popular. “Pretendemos levar a música clássica para perto das pessoas, com a orquestra ao alcance de todos, bem ao lado do público, tudo em grande interação e sintonia. Vai ser uma experiência única”, destacou.

Confira a agenda de apresentações e programe-se:
30/08, às 19 horas
Praça dos Desbravadores - Terra Vermelha
Vila Velha

01/09, às 20 horas
Quadra da Piedade – Centro de Vitória
Vitória

04/09, às 17 horas
Terminal de Campo Grande – Campo Grande
Cariacica

Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Cultura
Carol Veiga, Danilo Ferraz e Erika Piskac
3636-7110 / 3636-7111 / 99902-1627
Facebook: SecultES

Fonte: https://secult.es.gov.br/Not%C3%ADcia/terra-vermelha-recebe-a-primeira-apresentacao-da-serie-orquestra-nas-ruas

Sônia Cabral: nova temporada da mostra de filmes Ciclorama começa nesta quinta (03)





Para os aficionados pela “sétima arte”, um debate pode sempre render momentos de conhecimento e, é claro, de diversas curiosidades sobre um determinado filme. E a mostra Ciclorama: Filme & Debates chega a sua segunda temporada com uma programação imperdível. Na próxima quinta-feira (03), a mostra reestreia com a exibição do clássico do neo-realismo italiano Ladrões de Bicicletas (1948), dirigido por Vittorio De Sica, e do curta-metragem "2 e meio", de 2010, do diretor capixaba Alexandre Serafini. A programação acontece no espaço cultural Palácio da Cultura Sônia Cabral, na Cidade Alta, em Vitória, às 18h30. Entrada franca.

Os outros filmes que serão apresentados durante o mês de agosto serão o suspense Gilda (1946), com direção de Charles Vidor, que vai contar com um bate-papo com a professora de comunicação social da UFES Gabriela Alves, e em comemoração aos 20 anos de lançamento do filme capixaba “O Amor está no Ar”, o Ciclorama além de exibir o filme vai contar com um bate-papo com o co-roteirista e assistente de Produção do longa-metragem, Marcelo Siqueira.

Ciclorama
Sempre no final da exibição haverá um debate com a presença de profissionais ligados ao meio do audiovisual capixaba, como pesquisadores, acadêmicos, realizadores, técnicos e produtores que abordarão diversos conteúdos que integram o conceito de cada filme. Será uma ótima oportunidade para que o público possa conversar sobre as curiosidades que envolvem as obras com grandes especialistas do assunto no Estado.


Programação- Ciclorama- Filmes & Debates

Local: Palácio da Cultura Sônia Cabral. Endereço: Praça João Clímaco, Cidade Alta, Vitória.
Horário: 18h30.
Entrada franca.
Os filmes são indicados para maiores de 14 anos.

  
Quinta-feira (03) - 18h30
Filme I - Ladrões de Bicicleta (Ladri di biciclette. 1947. ITA. Direção: Vittorio De Sic, preto e branco, Duração: 93 minutos. Ficção)
Convidado: Alexandre Serafini – Produtor, roteirista e diretor cinematográfico.
Sinopse: Após dois anos de espera, o desempregado Antonio Ricci (Lamberto Maggiorani) finalmente encontra um emprego colocando cartazes pela cidade de Roma, destruída pela Segunda Guerra. Como esse novo emprego exigia que Ricci tivesse uma bicicleta, a esposa dele, Maria (Lianella Carell), vende os lençóis de linho da família para resgatar o veículo do marido da loja de penhor. Mas no primeiro dia de Ricci no emprego a bicicleta é roubada. Assim Ricci e seu filho de 9 anos Bruno (Enzo Staiola) partem em busca da bicicleta roubada pelas ruas de Roma.

Filme II: 2 e Meio (Idem. 2010. BRA. Direção: Alexandre Serafini, Cor, Duração: 18 minutos. Ficção) 
Sinopse: Com o roubo de seu carro, usado para o trabalho, Hernani, um mecânico de elevadores, toma uma atitude desesperada.

10 de Agosto (quinta-feira)
  Filme: Gilda (Gilda, 1946, EUA. Direção: Charles Vidor, preto e branco, Duração: 110 minutos. Ficção).
Sinopse: Johnny Farrell (Glenn Ford), um aventureiro americano, vai trabalhar para Ballin Mundson (George MacReady), o proprietário de um cassino ilegal na Argentina, e rapidamente desponta como gerente e seu braço direito. Tudo vai bem até que Mundson retorna de uma viagem com sua nova esposa, Gilda Rita Hayworth , uma mulher do passado de Johnny. Mundson, sem saber de seu antigo caso, designa a Farrell o trabalho de manter Gilda uma esposa fiel. Cheia de ódio, Gilda faz de tudo para antagonizar, intimidar e injetar ciúmes em Farrell - até que as circunstâncias permitam que ele se vingue.

Convidada: Gabriela Alves - Professora do Departamento de Comunicação Social e do Programa de Pós Graduação em Comunicação e Territorialidades da UFES.  É uma das realizadoras do Cineclube e da Mostra Feministas de Quinta e da Mostra Tereza de Benguela.  Dirigiu e roteirizou o curta metragem “C(elas)” (2017), que trata da relação entre maternidade e ambiente prisional; atualmente desenvolve roteiro de longa-metragem sobre o mesmo tema e coordena equipe que desenvolve documentário sobre a condição de refugiados no Espírito Santo.

24 de Agosto (quinta-feira)
Filme: O Amor Está no Ar (Idem, ES. 1997. Direção: Amylton de Almeida, Duração: 70 minutos. Ficção)
  Convidado: Marcelo Siqueira: Co-roteirista, Assistente de Produção e 2º Assistente de Direção do filme.

Sinopse: Em uma emissora de rádio no Espírito Santo, Lora Berg (Eliane Giardini) comanda o "Namoro no Ar", um programa que promove encontros amorosos e entrevista pessoas que desejam encontrar o seu parceiro. Numa destas entrevistas, Lora conhece Carlos Henrique (Marcos Palmeira). Eles se envolvem e Carlos Henrique vai morar com Lora. Ela faz tudo por ele. Entretanto, em pouco tempo percebe que ele pode estar se aproveitando de sua generosidade.

Em comemoração aos 20 anos de lançamento “O Amor está no Ar” nos cinemas brasileiros, o Ciclorama além de exibir o filme vai contar com um bate-papo com o Co-roteirista e Assistente de Produção, Marcelo Siqueira.

Assessoria de Comunicação da Secult
Carol Veiga / Erika Piskac / Danilo Ferraz
secultes.imprensa@gmail.com
comunicacao@secult.es.gov.br
Tels.: 3636-7111/99808-7701/99902-1627
Facebook: secult.espiritosanto
Texto: Danilo Ferraz


sexta-feira, 12 de maio de 2017

'Febre' de aplauso de pé incomoda artistas e críticos de teatro


A Europa era exceção, até poucos anos atrás. Mas também por lá o crítico inglês Michael Billington lamentou que esteja chegando o "hábito sujo americano" de aplaudir de pé no final da peça. Qualquer peça.
O crítico americano Ben Brantley concorda e até lançou um apelo público, no "New York Times", "pela volta do aplauso sentado". Aplaudir de pé, afirma, "virou um gesto social automático", sem sentido.
No Brasil, o diretor Antunes Filho e a atriz Nydia Lícia, com carreiras iniciadas há mais de meio século no TBC (Teatro Brasileiro de Comédia), atestam que "essa mania de levantar sempre", como ela descreve, é recente.
Lenise Pinheiro/Folhapress
Público aplaude monólogo 'A Vida Sexual da Mulher Feia
Público aplaude monólogo 'A Vida Sexual da Mulher Feia'
Antunes arrisca que o hábito se disseminou a partir dos anos 90. "Antes era mais seco", diz. "Agora é um touro bravo, vai que vai. Agora é absolutamente nada."
"Antes era um gesto estrondoso para o ator", relata Nydia, citando, entre os raros aplausos de pé no TBC, "Seis Personagens em Busca de um Autor" (1951), com Sergio Cardoso, Cacilda Becker, Paulo Autran e Cleyde Yáconis.
"Era excepcional", diz. "Agora levantam, assobiam, gritam e fica por isso mesmo. Você não tem mais medida, não sabe até que ponto agradou. O ator fica mimado."
Com a presença crescente de celebridades do cinema e da TV no palco, tanto aqui como no exterior, o fenômeno avançou para o meio das apresentações, para a entrada em cena. "A sugestão é, no caso de estrelas menos veneráveis, como Julia Roberts, 'bom para você, você é famosa'", critica Brantley.
PANDEMIA
Ele reconhece que aplaudir de pé é um "vírus" que pode ter tido sua origem na Broadway, seguindo depois para Europa e outros junto com as franquias dos musicais nova-iorquinos.
Cláudio Botelho, que ao lado de Charles Möeller ajudou a estabelecer os musicais no Brasil, também questiona o fenômeno, mas acrescentando ser mais acintoso por aqui —onde programas de auditório teriam instituído, segundo ele, que "quem quer que apareça é aplaudido".
Lamenta, sobretudo, que "não tem mais diferença: aplaudem de pé tanto Marília Pêra como qualquer grupo jovem". Citando também Bibi Ferreira e Fernanda Montenegro, cobra: "O que você vai dar como reconhecimento às grandes divas?".
São muitas as hipóteses para a "febre", segundo o "NYT": espectadores aplaudem para justificar o ingresso caro; por serem turistas, não habituados ao teatro; pelo alívio físico de se levantar; até para chegar antes à saída, nas plateias lotadas.
Antunes acrescenta um fenômeno local relativamente novo e semelhante àquele dos turistas na Broadway: "A classe média aumentou. É uma coisa boa, mas eles ainda não têm base. Ir ao teatro já é uma vitória social".
Saulo Vasconcelos, protagonista de musicais como "O Fantasma da Ópera" no Brasil e no exterior, soma ainda duas razões específicas, no caso de São Paulo. "As pessoas aplaudem já se levantando para ir embora, porque o estacionamento é um inferno. E também porque o espectador daqui é gentil, quer mostrar seu carinho."

AUTOENGANO
Ron Daniels, que começou como ator nos anos 60 no Teatro Oficina e a partir dos anos 70 se estabeleceu como encenador em companhias como a Royal Shakespeare Company e o American Repertory Theater, acredita que o problema é maior nos Estados Unidos e no Brasil.
"Em Nova York eles sempre se levantam. Na Inglaterra, só em musical, Shakespeare não", diz ele. "Eu detesto esses aplausos, o espetáculo perde o valor. Mas, quando é merecido, a 'standing ovation' [aclamação de pé] é maravilhosa."

Para Daniels, o fenômeno "é muito esquisito: a plateia se congratula a si mesma". Michael Billington, que é crítico do londrino "Guardian", concorda que a febre do aplauso de pé surgiu com o público "tentando enganar a si mesmo", sugerindo que a cura teria de partir dele. 


Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2014/01/1401502-febre-de-aplauso-de-pe-incomoda-artistas-e-criticos-de-teatro.shtml

sábado, 18 de março de 2017

Papa Bruno's - Pizza

Não é todo dia que "a capixaba aqui" quer sair de casa genteeee, "ainda mais" ontem, que cheguei do trabalho tarde da noite, exausta! Tudo que eu queria era apenas um banho e comer em casa mesmo e descansar, então vai bem uma pizza quentinha, não é? A Empresa Papa Bruno's enviou-me a pizza deles para eu conhecer e contar para vocês.


    Segurando a pizza quentinha para a foto!


História:
A Papa Bruno’s foi fundada em 4 de Janeiro de 2013, em Itapoã, Vila Velha-ES, com o objetivo de revolucionar o mercado de pizza assada no Brasil. Com o lema de vender a melhor pizza pelo menor preço e rapidamente a marca expandiu-se pela região, caindo na graça dos clientes. Desde o início trabalham com os dez sabores de pizza mais vendidos no país. 

       
              Foto da fachada de uma das lojas.
Em Janeiro de 2014, a Papa Bruno’s chegou em Vitória, na Praia do Canto, conquistando novos clientes e amigos. A demanda na capital foi tão grande, que em setembro do mesmo ano inauguraram a terceira unidade localizada em Jardim Camburi, bairro mais populoso da cidade. Em Março de 2016, foi a vez da cidade de Serra receber a sua unidade Papa Bruno’s, atendendo ao pedido da população no Facebook da Empresa. 
São quatro lojas Papa Bruno’s Pizzaria, a cada pedaço uma nova história. 
O proprietário e fundador da Marca Papa Bruno's é o publicitário Renato Rocha, formado pela UVV, ex gerente comercial da RedeTV!ES. Hoje ele possui outros 3 sócios. Seu espírito empreendedor foi responsável pela criação e pela expansão da marca por três cidades, sendo quatro lojas abertas em pouco mais de três anos.
          Fonte: http://www.papabrunos.com.br/site/sobre.php


     Este é o Renato Rocha


Eu experimentei:


Fiz o pedido e fui informada de que o tempo de entrega seria 40 mim. o que superou a minha expectativa, pois enquanto eu organizei a mesa, a pizza chegou em 30 min. Gostei da embalagem,  bem firme e colorida e alegre como eu gosto, a pizza chegou bem quente e inteirinha!

A rede trabalha com os 10 sabores mais vendidos do país, pedi dois sabores por pizza, uma: 4 queijos e marguerita (minha preferida), a outra: portuguesa (a mais vendida da casa) e brigadeiro.

 
     Cheirinho de pizza hummmm

Gostei de experimentar as pizzas, realmente são mais leves que as pizzas com massa grossa. Não conhecia pizza com a massa assim tão fininha, mas  por ser gostei por ser mais leve! Não é aquela pizza pesada, cheia de massa. Se você quiser a massa mais torradinha, crocante, pede para o atendente com carinho, que eu acredito que eles façam! Pois a minha veio "ao ponto", acredito que esse seja o padrão da marca.


     Mostrando a massa fininha

Recomendo que a pizza seja saboreada imediatamente após a entrega, pois pelo fato da massa ser fininha, ela esfria mais rápido. A de sabor brigadeiro é feita com chocolate meio amargo, recomendo para quem gostar de chocolate amargo! Eu prefiro brigadeiro doce mesmo, afinal sou uma fanática por açucar! Rs


    Portuguesa com brigadeiro



    Quatro queijos e Marguerita

Quanto ao preço, realmente a pizza deles se não for a de menor preço é uma das mais baratas da Grande Vitória. Fiz uma rápida pesquisa na internet e não encontrei opção de preço menor que a deles. O preço para a pizza grande da unidade da Praia do Canto é R$22,90 para todos os 10 sabores.
Esse valor é o mesmo preço de pizza que compramos no supermercado, que você ainda tem que levar para casa e colocar para assar!!! Portanto o preço Papa Bruno's compensa, afinal com o mesmo valor eles entregam a pizza assada, quentinha na sua casa!

Sobre o rendimento, as duas pizzas grandes enviadas servem bem quatro pessoas, pelo fato da massa ser fininha! Eles não enviam ketchup nem maionese e para acompanhar a pizza a única bebida disponível é refrigerante: guaraná!

Após a primeira ligação, seu número fica cadastrado com seu endereço, o que agiliza os próximos pedidos. Mas atenção, você deve ligar para o número da unidade mais próxima da sua residência.

Boa pizza!!

Contato:
http://www.papabrunos.com.br
https://www.ifood.com.br
https://www.facebook.com/papabrunospizza

Vila Velha (27)3075-3322 
Praia do Canto (27)3024-3322 
Jardim Camburi (27)3065-3322

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Praça do Papa ganha maior tanque para observar tartarugas no Estado - Gazetaonline

Quatro das cinco espécies de tartaruga que há no Brasil estarão no local
Crianças e adultos, visitantes ou moradores de Vitória, poderão observar, a partir des, espécies de tartarugas no que será o maior tanque para observação desses animais em todo o Estado.
Local tem 226 metros quadrados e capacidade para 112 mil litros
Local tem 226 metros quadrados e capacidade para 112 mil litros
Foto:Carlos Alberto Silva











O Projeto Tamar, em parceria com a Prefeitura de Vitória, abre oficialmente quinta o tanque com visores subaquáticos, na Praça do Papa, na Enseada do Suá.
Mesmo oficialmente ainda fechado, quem esteve ontem no Tamar conseguiu ver bem de perto o que estará amplamente exposto para a população a partir de amanhã.
Crianças de todos os tamanhos e idades corriam de um lado para o outro para conseguir ver as três tartarugas no local.
“Ele é fã. A gente vem umas quatro vezes por ano. Ele gosta de natureza, bicho, tartaruga. A gente estimula, mas ele por conta própria já gosta”, diz o engenheiro Bruno Coelho, 44, sobre o filho Leonardo, 3, um dos mais empolgados ontem no local.
Tanque
O tanque tem 226 metros quadrados e capacidade para armazenar 112 mil litros de água. No local, estão as espécies tartaruga-verde, tartaruga-cabeçuda, tartaruga-de-pente e tartaruga-oliva.
“Das cinco espécies existentes no Brasil, quatro estão aqui”, ressalta o oceanógrafo Paulo Rodrigues, da Secretaria de Meio Ambiente de Vitória (Semman). “A tartaruga-verde, por exemplo, você só encontra na Ilha de Trindade, em Fernando de Noronha e no Atol das Rocas.
Paulo Rodrigues explica que as tartarugas que estão no local foram criadas desde pequenas no tanque e que a ideia é recuperar as que são selvagens e devolvê-las ao mar.

Fonte: http://novo.gazetaonline.com.br/noticias/cidades/2017/01/praca-do-papa-ganha-maior-tanque-para-observar-tartarugas-no-estado-1014019686.html

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Maria Pitanga - Açaiteria

Eu já fui:
Um dia parei no semáforo da Praia do Canto e ao olhar para a minha esquerda, vejo uma logo lindaaa, em uma fachada lindaaa: “Maria Pitanga”. Olhei com mais calma, vi que tratava-se de uma açaiteria e eu adoro açaí, mas tem que ser self service, pois gosto muito dos complementos. E onde montam o açaí economizando complementos nem volto mais! Rs

Fiquei curiosa para conhecer a açaiteria, do lado de fora deu para ver que lá era self service, aliás temos poucas opções assim em Vitória. As poucas opções onde você monta seu próprio açaí são sorveterias, onde normalmente não há frutas 
como complementos!


Foto: Arquivo Maria Pitanga


Bom.. entrei em contato com o estabelecimento, fui recebida pelo Vitor, gerente do negócio, que pertence seus pais (Romário Mendes Vargas e Lana Mara Moreira Vargas) e um sócio.

Descobri que trata-se de uma franquia, o dono da rede é João Batista Ximenes, morador do Ceará, casado com Maria Rosana Ximenes, (que inspirou o nome do negócio). Como sou muito curiosa, soube e explico para vocês os detalhes do nome: acrescentaram aleatoriamente  "Pitanga" á Maria e combinou, nasceu assim o nome da marca, que encanta o público feminino, (público alvo), pelo fato das mulheres cuidarem mais da saúde. Porém na loja de Vitória o público masculino é maioria.

Confira a história completa do surgimento da rede:
 http://www.mariapitangaacaiteria.com.br/quem-somos/

Foto: Capixaba quer sair de casa

Este é meu açaí, com frutas e bastante complementos. Faltou a nutella, que futuramente poderá ser inserida nas opções de caldas!
Foto: Capixaba quer sair de casa


Opções de complementos e frutas frescas
Foto: Capixaba quer sair de casa


O estabelecimento funciona há seis meses, também com opções de cremes de frutas, sucos, sanduíches e bebidas. Mas o campeão de vendas é mesmo o açaí puro, que aliás leva mais fruta e pouquissímo xarope, possui 14% de polpa, esse é o diferencial do produto. O açaí é mais leve, tem consistência mais "molinha", por ser batido. É necessário bater todos os dias, para não formar cristais de gelo, outras marcas usam aditivos químicos para não cristalizar.

Essa semana chega o açaí diet, sem xarope!

O produto tem origem no Pará, a plantação é escolhida pessoalmente pelo proprietário da marca João Batista, que acompanha todas as etapas de produção para garantir a qualidade do produto.


Opção de cremes 
Foto: Capixaba quer sair de casa


Cardápio na parede, bem prático!
Foto: Capixaba quer sair de casa

A maioria dos clientes da loja são frequentadores das academias vizinhas, um público fitness, que fazem uma visitinha na açaiteria antes e depois do treino.
Os preços: do kilo é R$45,00 kg, que segundo Vitor é o menor da vizinhança. Em quantidades menores: 100g R$4,50, 300 ml R$13,50.

Vi um painel lindo da artista Simone Monteiro, não resisti a uma foto.
Foto: Capixaba quer sair de casa

Quadro na parede: 10 motivos para você consumir o açaí
Foto: Capixaba quer sair de casa
  
Se você preferir montam para você, depois pesam!
Foto: Capixaba quer sair de casa


Uma boa opção para aniversariantes


Agora você sabe onde comer um barco de açaí com os amigos.
Foto: Arquivo Maria Pitanga


Com bastante frutas
Foto: Capixaba quer sair de casa

Vitor com os funcionários
Foto: Capixaba quer sair de casa

Vitor 
Foto: Capixaba quer sair de casa

Vitor toma açaí todos os dias, gosta de trabalhar com o produto por ser uma sobremesa gelada, com menos conservantes e mais saudável que o sorvete. Avisa que esta chegando novidades na Maria Pitanga e convida capixaba e turistas a experimentarem um açaí mais saudável!

Abraço do blog para o Vitor, sua equipe, seus pais, o sócio e o casal proprietário da rede. Desejo ainda mais sucesso ao empreendimento!


Localização:
Rua  João da Cruz, 385
Praia do Canto – Vitoria – ESCEP: 29055-620

Próximo da ponte Ayrton Senna

Contato:

Horário de funcionamento:
·    13h as 23h30 semanalmente
·    13h as 22h30 sábados e domingos

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Vitória tem apenas seis locais liberados para o banho de mar

Capital tem, ao todo, 25 pontos para banho.
Praia de Camburi está completamente imprópria para banhistas.


O banho de mar nas praias de Vitória está liberado em apenas seis dos 25 pontos, segundo o relatório da balneabilidade divulgado nesta quinta-feira (18) pela prefeitura. O secretário Municipal de Meio Ambiente, Luiz Emanuel Zouain, disse que o banho está proibido em toda a praia de Camburi.
Atualmente, o banho de mar só está liberado nas praias da Ilha do Boi e alguns pontos da Curva da Jurema e da Ilha do Frade. 
"Nós pedimos aos moradores de Vitória que, por favor, não tomem banho nessas águas nesse momento. As pessoas podem ficar sujeitas a infecções gastrointestinais, doenças epiteliais, alergias, pois é isso que a medicina prescreve, sendo esse um ambiente totalmente desfavorável", disse o secretário.
Pontos liberados:
1. Ilha do Frade - Praia da Ilha do Frade
2. Ilha do Frade - 1ª Praia à direita
3. Praia de Sta. Helena - 200 m à esquerda das barracas da Curva
4. Praia de Sta. Helena - Em frente às barracas da Curva
5. Ilha do Boi - Praia Grande
6. Ilha do Boi - Praia da Direita

Pontos próprios e impróprios para banho (Foto: Arte/ TV Gazeta)
Estudo
O estudo de balneabilidade é realizado semanalmente pela Prefeitura de Vitória, e mede a qualidade da água através do nível de coliformes fecais na água, geralmente lançado no mar pelo esgoto. Áreas com os níveis acima do aceitável são classificadas como impróprias.


A Prefeitura da Serra afirma que a cidade tem trabalhado em parceria com a concessionária que realiza o tratamento do esgoto do município no sentido de notificar os moradores a realizar a ligação na rede coletora sob pena de multa. Onde não houver rede coletora o morador deve construir fossa séptica individual.A Praia de Camburi foi classificada como imprópria para banho. Camburi recebe uma grande carga de esgoto lançado pelo município de Serra e também é afetada pelo movimento das marés e por rejeitos advindos do Canal da Costa.


Fonte: http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2016/02/vitoria-tem-apenas-seis-locais-liberados-para-o-banho-de-mar.html

Praia Acessível muda de lugar após 'Curva' ficar imprópria para banho


Praia Acessível muda de lugar após 'Curva' ficar imprópria para banho

Novo ponto fica em frente ao Quiosque 2 na Praia de Camburi.
Projeto dá banho de mar em pessoas com limitação de mobilidade.

Do G1 ES










O projeto Praia Acessível, da Prefeitura de Vitória, vai passar a funcionar na Praia de Camburi depois que o ponto da Curva da Jurema ficou impróprio para o banho.
A mudança acontece, nesta quinta-feira (5), e o projeto vai funcionar, por enquanto, em frente ao Quiosque 2 de Camburi. Mas volta para a Curva assim que a balneabilidade for restabelecida.
Projeto 'Praia Acessível' ajuda quem tem mobilidade reduzida (Foto: Livia Albernaz/ PMV)
Projeto 'Praia Acessível' ajuda quem tem
mobilidade reduzida (Foto: Livia Albernaz/ PMV)
Na semana passada, a Justiça determinou que o programa fosse para outro lugar. A prefeitura tinha até 10 dias para fazer a mudança e a multa diária em caso de descumprimento era de R$ 5 mil.
Projeto
Esse projeto permite que pessoas que tenham alguma limitação de mobilidade tomem banho de mar.

O Praia Acessível tem três cadeiras que flutuam na água e não afundam na areia.
A equipe é formada por assistentes sociais, psicólogos e professores de Educação Física.
No verão, o Praia Acessível funciona de quinta-feira a domingo, das 8h às 13h.
Projeto Praia Acessível, em Vitória (Foto: Leonardo Silveira/PMV)Projeto Praia Acessível, em Vitória (Foto: Leonardo Silveira/PMV)
Fonte: http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2017/01/praia-acessivel-muda-de-lugar-apos-ponto-de-banho-ficar-improprio-no-es.html